Home Notícias Esportes Apaixonado pelo Galo, garoto de 12 anos tem perna amputada e ainda sonha em jogar futebol

Apaixonado pelo Galo, garoto de 12 anos tem perna amputada e ainda sonha em jogar futebol

Nada segura o sonho de Igor Henrique de continuar jogando futebol. O garoto de 12 anos, que atua como zagueiro e é fã de Leonardo Silva, teve a perna amputada por causa de um tumor, mas não perdeu as esperanças de voltar ao campo para fazer o que mais ama.

Igor começou a jogar futebol aos 7 anos, em Divinópolis, na região Centro-Oeste de Minas, e disputava campeonatos de base pelo Inter Academy, time da cidade. No futebol profissional, o Galo era sua verdadeira paixão.

“Quando saiu do hospital, o primeiro presente que ganhou foi o uniforme inteiro do Atlético. Sempre teve vários ídolos e, quando começou a jogar como zagueiro, Léo Silva virou o maior de todos”, conta ao BHAZ sua mãe, Irene da Silva, de 42 anos.

Alto como o zagueiro atleticano, que mede 1,92m, Igor tem 1,80m e também não se limita à defesa do time: como Léo Silva, quando vê a oportunidade, não deixa de tentar marcar um gol.

Em março de 2018, a família descobriu a doença que dificultaria a trajetória de Igor. Em campo, enquanto disputava um campeonato, ele sentiu dores na perna esquerda e caiu. As consultas médicas e os exames realizados revelaram um tumor no fêmur e, desde então, ele não jogou mais.

“Depois da descoberta, ele fez dois meses de quimioterapia e uma cirurgia para retirar o osso e colocar uma prótese no lugar. Depois disso, achávamos que ele estava curado, mas em um mês o tumor voltou no músculo e ele teve que amputar a perna esquerda”, explicou Irene.

A cirurgia é recente e Igor retirou os pontos na segunda-feira (2). Em duas semanas, deve voltar à quimioterapia. Depois que a operação completar 90 dias, ele começará a fazer fisioterapia para fortalecer os músculos e só após 6 a 9 meses poderá colocar uma prótese.

As sessões de quimioterapia são realizadas em Belo Horizonte, já que Divinópolis não tem um hospital de câncer para crianças. Com isso, as viagens serão mais recorrentes para a família.

Além disso, Irene e seu marido, Maicon Arnaldo da Silva, que é praticamente um pai para Igor, também arcam com os custos de remédios e economizam para custear a fisioterapia e a futura prótese.

Irene da Silva/Arquivo Pessoal

“Temos amigos e família que ajudam, estamos fazendo campanha para arrecadar mais dinheiro, porque não sabemos o valor da prótese ainda. Tem que ser uma prótese muito boa, porque o que ele quer mesmo é jogar bola”, contou a mãe.

Apesar dos obstáculos, Igor não perdeu a esperança de voltar ao campo. “A expectativa dele é a melhor possível. Ele está bem confiante que, com a prótese, vai conseguir voltar a andar normalmente e poder jogar futebol”, completou Irene.

Como contribuir

Para ajudar Igor Henrique a realizar seu sonho de voltar a jogar bola, é só entrar em contato com a família:

Irene: (37) 98824-9073
Maicon: (37) 98809-6319

Comentários