Home NotíciasBrasilRapaz pede desconto em corte para ir a entrevista de emprego e relato viraliza

Rapaz pede desconto em corte para ir a entrevista de emprego e relato viraliza

O que parecia ser um simples corte de cabelo, fez com que o barbeiro Bruno Mota, de 32 anos, vivenciasse uma das histórias mais emocionantes de sua carreira. “Nunca passei por algo parecido”, diz. Tudo começou na quinta-feira (5), quando um jovem entrou no salão do microempresário, na cidade de Rolândia, no interior do Paraná, perguntando se conseguiria aparar o corte perto da nuca com os R$ 1,75 que tinha no bolso.

O rapaz apareceu na porta da barbearia, de bicicleta, trajando uma blusa social, em meio a uma chuva fina, e fez um pedido. “Ele entrou aqui e perguntou se eu cortava apenas o pezinho – contorno do cabelo – dele por R$ 1,75, que era o dinheiro que ele tinha”, contou Bruno ao BHAZ.

Leia mais: Motoboy viraliza no Twitter com guia do bom cliente

O barbeiro conta que ficou surpreso com o pedido, mas que aceitou fazer o serviço pelo valor. “Eu vi que ele estava com vergonha, meio sem graça, mas eu aceitei cortar o cabelo dele. Quando estávamos conversando, eu perguntei o que ele fazia, ele me contou que trabalhava na colheita de laranja, mas estava indo em uma entrevista de emprego em um mercado aqui perto. Aquilo me cortou o coração”, diz.

Emocionado com o relato
do jovem, Bruno resolveu ajudar sem cobrar nada. “Cortei o cabelo dele todo, sem
cobrar nada. Ele ficou muito feliz, me agradeceu muito. Eu desejei sorte para
ele e disse para ele me pagar depois de conseguir o emprego, mas, na verdade,
eu não faço questão de receber esse dinheiro, pois fiz de coração. Fiz porque
percebi a humildade nele”, ressalta.

O jovem agradeceu o corte e partiu em direção ao mercado para fazer a entrevista. Depois disso, Bruno não teve contato com ele. “Tudo aconteceu tão rápido que nem perguntei o nome dele. Mas eu conheço algumas pessoas que trabalham no supermercado e vou esperar até segunda para saber se ele passou ou não”, ressalta.

Leia mais: Brasil registra 3 milhões de casos de Covid-19 e 101 mil mortes

O barbeiro resolveu contar a história em sua rede social. A postagem no Instagram da barbearia já contabilzia cerca de mil reações e muitos comentários com elogios a ação de Bruno.

View this post on Instagram

👉leia até o fim …Hoje esse jovem da foto parou na frente do salão e me pergunto, se eu não fazia o pezinho do cabelo dele por 1,75 😨. Por que era o único dinheiro que ele tinha no bolso. Na hora confesso que fiquei espantado, mais falei que sim , logo perguntei quando sentou na cadeira onde ele iria , pois estava bem arrumado sapato social ,camisa ,ele me respondeu que iria fazer uma entrevista de emprego no mercado 😯. Na hora meu coração…..acelero passou um filme na minha cabeça, cada um sabe o que já viveu na na vida . Na hora que ele me falou isso já me propus a cortar o cabelo dele e fiz um corte social era o mais apropriado ,ele ficou encantado com tudo aquilo no final ele me agradeceu e com um sorrisão no rosto e seguiu para sua entrevista de bicicleta ainda um pouco molhado por que estava chovendo porém motivado e feliz . Tem coisa que o dinheiro não paga . Vale apena reflexão oque podemos fazer pelo próximo. #rolandia

A post shared by Bruno Navalha (@barbeariabrunonavalha) on

História parecida

O barbeiro conta que mora
na cidade de Rolândia há três anos, antes, ele morava em São Paulo e resolveu
tentar a vida na cidade do Paraná. “Eu vi aquele rapaz e pensei em quando eu
cheguei aqui, apenas com uma mochila nas costas. Muita gente me ajudou e sou
muito grato por isso. Hoje, graças a Deus, tenho a minha barbearia e a oportunidade
de me sustentar e ajudar outras pessoas”, diz.

Emprego

O BHAZ entrou em contato
com a rede de supermercados Santa Lúcia, onde o jovem teria ido fazer
entrevistas na última quinta. A rede confirmou que houve uma seleção na data
descrita, mas que somente na segunda-feira (9), será possível dizer quais foram
os candidatos aprovados na seleção.

Contudo, Bruno, já
garantiu que não deixará o jovem desamparado, caso ele não consiga a vaga de
emprego. “Segunda-feira vou correr atrás dele, procurar saber quem é e onde
mora. Se ele não tiver passado na vaga, eu vou dar um curso de barbeiro para
ele”, afirma.

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários