Doença ‘misteriosa’ leva sete pessoas a hospitais em Minas; sintomas são semelhantes

IMAGEM ILUSTRATIVA (Marcos Santos/USP)

Uma doença “misteriosa”, ainda não identificada, atingiu pelo menos sete pessoas em Minas Gerais, desde o fim do ano passado e no começo de 2020. Os primeiros sintomas diagnosticados nos pacientes são gastrointestinais – como náusea e/ou vômito e/ ou dor abdominal – e parecidos com os de moradores do bairro Buritis, na região Oeste de BH, que viraram assunto nas redes sociais ao longo do último fim de semana. Apesar da semelhança, não há nada que confirme, até o momento, uma relação entre os casos.

A SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) informou, por meio de nota, que uma investigação é realizada pelo CIEVS Minas (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) “com o objetivo de esclarecimento diagnóstico e busca de novos casos”.

+ Boatos sobre suposta intoxicação levam temor ao Buritis; autoridades de BH investigam

O primeiro caso foi registrado em 30 de dezembro de 2019 em um hospital particular na capital mineira. O paciente deu entrada na unidade de saúde com insuficiência renal aguda e alterações neurológicas.

No dia seguinte, em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, outro caso foi notificado e o paciente internado com os mesmos sintomas daquele de BH.

Pacientes continuam nos hospitais

Todos os pacientes diagnosticados são do sexo masculino e as idades deles variam entre 23 e 76 anos. A maioria é de Belo Horizonte – cinco, no total -, um de Nova Lima, na região metropolitana, e outro de Ubá, na Zona da Mata.

Os pacientes seguem internados em hospitais da capital e de Juiz de Fora com insuficiência renal aguda de rápida evolução e alterações neurológicas centrais e periféricas. Os quadros evoluíram dois primeiros sintomas até a internação em uma média de 2,5 dias.

As alterações neurológicas citadas são: paralisia facial, paralisia descendente, borramento visual, alteração de sensório e amaurose (perda de visão parcial ou total).

Exames laboratoriais seguem sendo realizados na Funed (Fundação Ezequiel Dias), mas “ainda não há resultados conclusivos” sobre a doença, conforme informou a pasta.

Caso os profissionais de saúde atendam pacientes com os sintomas descritos é preciso comunicar o CIEVS BH e CIEVS Minas em até 24 horas.

Nota do CIEVS Minas na íntegra

Em 30 de dezembro de 2019, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Minas) foi notificado da ocorrência de um caso de insuficiência renal aguda com alterações neurológicas de um paciente internado em hospital privado de Belo Horizonte. Em 31 de dezembro, foi notificado um segundo caso, com os mesmos sintomas, de um paciente internado em hospital de Juiz de Fora. A partir dessas notificações foi desencadeada uma investigação conjunta do CIEVS Minas e CIEVS BH com o objetivo de esclarecimento diagnóstico e busca de novos casos. Até 6 de janeiro de 2020, foram notificados 7 casos suspeitos, com início de sintomas mais precoce datado de 19 de dezembro de 2019. São pacientes do sexo masculino, com idade entre 23 e 76 anos, 5 residem em Belo Horizonte, 1 em Ubá e 1 em Nova Lima; 6 deles internados em hospitais da região metropolitana de Belo Horizonte e 1 em Juiz de Fora. A média de dias entre o início dos primeiros sintomas e a internação foi de 2,5 dias. Todos com insuficiência renal aguda de rápida evolução (até 72 horas) e alterações neurológicas centrais e periféricas. Exames laboratoriais estão sendo realizados na Fundação Ezequiel Dias (FUNED) e ainda não há resultados conclusivos.

Devem ser imediatamente notificados (em até 24 horas) ao CIEVS BH (casos de Belo Horizonte) e CIEVS Minas (casos do restante do estado), pelo telefone e por e-mail, os casos ocorridos a partir de primeiro de dezembro de 2019 que iniciaram com sintomas gastrointestinais (náusea e/ou vômito e/ ou dor abdominal) associados à insuficiência renal aguda grave de evolução rápida (até 72 horas) seguida de uma ou mais alterações neurológicas: paralisia facial, borramento visual, amaurose, alteração de sensório e paralisia descendente.