Home Guia BHAZBH terá exposição gratuita do segundo maior museu egípcio do mundo

BH terá exposição gratuita do segundo maior museu egípcio do mundo

Belo Horizonte vai receber neste ano a exposição “Egito Antigo: do Cotidiano à Eternidade”, que trará ao Brasil peças do Museu Egípcio de Turim, segundo maior museu do mundo dedicado ao Egito Antigo. A exposição, que já passou por Brasília e Rio de Janeiro, chega a BH em setembro, no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil).

A mostra é gratuita, reúne 140 peças e será dividida em três partes. Aspectos da historiografia geral do Egito Antigo serão apresentados de forma didática e interativa, por meio de esculturas, pinturas, amuletos, objetos cotidianos, um Livro dos Mortos em papiro, objetos litúrgicos e ostracons, que são fragmentos de cerâmica ou pedra que eram usados para escrever mensagens oficiais.

Leia mais: Sede da PBH tem luzes especiais em homenagem às vítimas da Covid-19

Além disso, que for à exposição também vai poder ver de perto sarcófagos, múmias de animais e uma múmia humana da 25ª dinastia. Para o público entender melhor em qual contexto os objetos eram usados, haverá uma réplica da tumba de Nefertari e uma pirâmide cenográfica de seis metros de altura.

“Organizamos as obras em diversos recortes, diferentes instâncias, ultrapassando limites temporais e regionais”, contou Pieter Tjabbes, curador da mostra junto com Paolo Marini. Ele ainda contou que a ideia é possibilitar ao público um entendimento qualificado sobre a cultura egípcia.

A mostra ficará aberta ao público do dia 16 de setembro até 23 de novembro.

Leia mais: Santa Luzia terá maior tela de cinema a céu aberto do mundo

Exposição Egito Antigo: do Cotidiano à Eternidade

Onde? Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Quando? 16 de setembro a 23 de novembro

Quanto? GRATUITO

Mais informações? Ligue (31) 3431-9400

Giovanna Fávero

Giovanna Fávero

Estudante de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Escreve com foco na área de Guia e Cultura no BHAZ.

Comentários