Home NotíciasBHProtestos no Felício Rocho denunciam regulação da cor de calcinha das funcionárias

Protestos no Felício Rocho denunciam regulação da cor de calcinha das funcionárias

O Hospital Felício Rocho, localizado no Barro Preto, em Belo Horizonte, amanheceu nesta terça-feira (14) com protestos dos próprios funcionários, que reivindicam o cumprimento de direitos trabalhistas e melhores condições de trabalho. Parte da revolta foi gerada por uma decisão do hospital de regular a cor das calcinhas usadas pelas funcionárias.

A entrada da rua Timbiras foi tomada pela manifestação a partir das 6h30 da manhã e os funcionários receberam o apoio do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de BH e Região (Sindeess). A paralisação foi provocada, principalmente, pelo anúncio do corte do pagamento do adicional noturno aos profissionais que trabalham durante a noite.

Leia mais: ‘Mês, com toda certeza, que teremos mais óbitos’, diz Zema sobre julho
Reprodução/WhatsApp

Ao BHAZ, enfermeiros do hospital, que preferiram não ter suas identidades divulgadas, relataram a causa dos protestos. Segundo eles, a administração do Felício Rocho fez com que as mulheres assinassem um termo concordando que só usariam calcinhas de cor bege, sapatos específicos, e que não poderiam usar maquiagem ou esmalte.

O dirigente sindical do Sindeess (Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de BH e Região), William Rosa Mourão, contou ao BHAZ que, em casos de exigência de qualquer peça de roupa para trabalho, a vestimenta deve ser tratada formalmente como uniforme e ser fornecida pelo hospital.

Leia mais: Covid-19: Sete irmãs são contaminadas após encontro, uma morre

Faixas com os dizeres “Eu uso a calcinha que eu quiser. Chega de regras. Sou mulher, minha roupa não define meu caráter” e “As mulheres quando se levantam lutam com toda sua força” foram penduradas ao lado de calcinhas de diferentes cores no protesto.

Reprodução/WhatsApp

Corte salarial e condições de trabalho

Os enfermeiros relataram também que, a partir de fevereiro, o hospital vai parar de pagar o adicional noturno, assegurado por lei a quem trabalha entre as 22h de um dia às 5h da manhã seguinte. Segundo eles, cerca de 500 a 600 reais serão cortados das folhas de pagamento com essa decisão.

Outra reclamação é a de que os funcionários não têm lugar para descansar no hospital durante os plantões e os turnos da noite. William Mourão também disse que o sindicato recebe muitas demandas relacionadas ao Felício Rocho. “No dia a dia, os trabalhadores trazem muitas denúncias de assédio moral e condições ruins de trabalho. Temos até casos encaminhados ao Ministério do Trabalho”, contou o dirigente sindical.

Em continuação aos protestos desta manhã, outra manifestação está planejada para a manhã desta quarta-feira (15), a partir das 6h30. Uma reunião entre o Sindeess e a administração do hospital também está prevista no dia.

Nota do Hospital Felícío Rocha

“A Fundação Felíce Rosso, mantenedora do Hospital Felícío Rocho, informa que segue e respeita integralmente o previsto na CLT (Consolidação da Legislação Trabalhistas) vigente e reforçadas pela CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) firmada entre SINDEESS (Sindicato dos Empregados em Estabelecime ntos de Serviços de Saúde de BH e Região) e SINDH OMG (Sindicato dos Hospitais de Minas Gerais).

Desta forma, a Fundação Felice Rosso segue as normas elaboradas pelo próprio SINDEESS fírmadas em Convenção Coletiva com o SINDHOMG, e portanto aplicáveis ao âmbito do Hospital Felicia Rocha.

Esclarecemos ainda, que não procedem as denúncias quanto a obrigatoriedade de cor de peças intimas dos funcionários, uma vez que trata-se apenas de uma orientação quanto ao uso preferencial de peças em tons lisos e claros, prevista no Manual de Conduta e Melhores Práticas no Atendimento ao Cliente”.

Sofia Leão

Sofia Leão

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários