Home NotíciasPolíticaSem prazo para pagar 13º, Zema pede tolerância a servidores: ‘Não temos recursos’

Sem prazo para pagar 13º, Zema pede tolerância a servidores: ‘Não temos recursos’

O governador Romeu Zema (Novo) pediu “tolerância” aos servidores públicos que ainda não receberam o 13º salário referente ao ano de 2019. Em um comunicado publicado nas redes sociais, Zema disse que o governo não tem dinheiro para quitar o benefício e que também não há previsão para levantar o recurso.

Em dezembro, o governado
pagou o 13º de 61% dos funcionários públicos, antes do Natal. A outra fatia, de
39% dos servidores, só deve receber o benefício após operação de venda dos
créditos do nióbio.

Leia mais: Mulher de Queiroz volta para casa e cumprirá prisão domiciliar

“Estamos trabalhando muito
para agilizarmos essa operação que vai proporcionar o pagamento do 13º. Mas, infelizmente,
ainda não temos uma data definida. Mas estamos correndo dia e noite para que
ela saia o quanto antes, o meu grande desejo e que o funcionalismo que ainda
não recebeu venha receber o 13º o quanto antes”, disse o governador.

O chefe do executivo ressaltou que o Estado não tem recursos para pagar o restante dos funcionários públicos. “Eu gostaria de lembrar que, no ano de 2019, para 60% do funcionalismo público, nós pagamos 14 salários: o 13º que o outro governo não pagou e, também o 13º do ano passado. Para os outros 40% – do funcionalismo – peço tolerância. Quero lembrar que não temos recursos, este é o motivo pelo qual foi pago. Não temos o que esconder, somos governo totalmente transparente”, afirma.

Zema disse ainda que o pagamento dos servidores referente ao mês de dezembro teve uma parcela quitada e já tem previsão quanto a segunda. “Estou aqui para comunicarmos que o salário de dezembro foi pago no dia 10 de janeiro e a segunda parcela será paga no dia 20 de janeiro”, diz.

Leia mais: ‘Mês, com toda certeza, que teremos mais óbitos’, diz Zema sobre julho

Operação do nióbio

A operação referida pelo
governador foi aprovada, via projeto de lei, no início do mês, pela ALMG
(Assembleia Legislativa de Minas Gerais). A proposta permite ao governo
antecipar os créditos do nióbio negociados pela Codemig (Companhia de
Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais). Com a movimentação financeira, o
governo pretende arrecadar cerca de R$ 5 bilhões.

A proposta foi
questionada pelo Ministério Público de Contas (MPC), ao alegar que a operação
pode causar danos aos cofres públicos. Zema criticou a ação das procuradoras
responsáveis pelo questionamento alegando que o Estado foi atrapalhado.

“Infelizmente, fomos atrapalhados por duas promotoras do MPC que tiveram o momento certo de questionar a operação na ALMG e não fizera. Fizeram enquanto estávamos negociando com os bancos e com a Bolsa de Valores. Essa intromissão indevida causou perturbação no processo e esse atraso. Infelizmente, nem todos em Minas estão trabalhando juntos para o bem do Estado”, disse o governador na época.

+ Zema anuncia pagamento do 13º para 61% dos servidores de Minas: ‘Não vou conseguir para todos’

Em resposta, a procuradora do MPC Maria Cecília Borges afirmou que a “incompetência e ineficiência” do governo de Romeu Zema (Novo) prejudicaram a operação de venda dos créditos do nióbio que garantiriam o pagamento integral do 13º dos servidores e o fim temporário do parcelamento dos salários.

+ ‘Total falta de transparência’: 13º não foi pago por ‘incompetência e ineficiência’ do governo, diz procuradora

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários