Home NotíciasBHBH pode ter nova ‘Chuva de mil anos’ até sábado, com volume superior a de domingo

BH pode ter nova ‘Chuva de mil anos’ até sábado, com volume superior a de domingo

Os belo-horizontinos devem redobrar a atenção com relação aos temporais pelo menos até o fim de semana. Alerta da Defesa Civil da capital mineira aponta que a cidade pode ser atingida por um volume ainda maior que o recebido no último domingo (19), classificada como “Chuva de Mil Anos”. Até sábado (25), BH pode acumular 150 mm de chuva – para efeito de comparação, a região que mais recebeu água, a Oeste, registrou 102 mm em 40 minutos.

O volume de água, portanto, pode chegar a um terço do esperado para todo o mês de janeiro entre esta terça-feira (21) e o próximo sábado (25). Segundo a Defesa Civil Municipal, a média histórica esperada para janeiro é de 329,1 milímetros e, só até sábado, pode chover 150 milímetros.

A tempestade do domingo elevou o nível do rio Arrudas em aproximadamente 10 metros. A Defesa Civil informou que o afluente transbordou a uma altura de 9,8 metros causando estragos, principalmente, em Contagem e na Grande BH.  

+ Ribeirão Arrudas sobe quase 10 metros durante tempestade; chove em 2h mais do que 4 meses juntos

Nessa segunda-feira, em entrevista coletiva, o prefeito Alexandre Kalil explicou ocorreu o fenômeno conhecido como ‘chuva de mil anos’. “Choveu 102 milímetros em 40 minutos”, detalhou o chefe do Executivo.

+ ‘Chuva de mil anos’: Fenômeno que provocou devastação força BH a decretar estado de emergência

Irremediável

O prefeito informou ainda que o estrago provocado pela tempestade seria inevitável. “Eu quero esclarecer para a população de Belo Horizonte que se todos os nossos projetos, bacias de contenção, tanto as que estão em licitação quanto as que estão prontas, estivessem prontas, aconteceria o que aconteceu ontem em Belo Horizonte. É um dado que me assustou. Mesmo se estivéssemos com tudo pronto, a tragédia de ontem não seria possível de não acontecer”, continuou.

O prefeito ainda disse que o mais grave da região da Tereza Cristina é que a solução não vem de Belo Horizonte. “Aqui eu não estou falando de Prefeitura de Contagem, porque sabemos que passa por um momento difícil como todas as prefeituras de Minas Gerais. Tomaram um cano histórico do governo [estadual] anterior e continuam com esse problema até hoje”, destacou.

Saiba como se proteger:

  • Redobre a sua atenção! Evite áreas de inundação e não trafegue em ruas sujeitas a alagamentos e próximos aos córregos e ribeirões no momento de forte chuva.
    ⠀⠀
  • Não atravesse ruas alagadas ou deixe crianças brincando na enxurrada e nas águas dos córregos.
  • Não se abrigue nem estacione veículos debaixo de árvores.
  • Atenção especial em áreas de encostas e morros.
  • Jamais se aproxime de cabos elétricos rompidos. Ligue imediatamente para CEMIG (116) ou Defesa Civil (199).
  • Se você observar o aparecimento de fendas, depressões no terreno, rachaduras nas paredes das casas e o surgimento de minas d’água avise imediatamente a Defesa Civil (199).
  • Em caso de raios: não permaneça em áreas abertas e altas, não use equipamentos elétricos.

Veja como receber alertas:

Aline Diniz

Aline Diniz

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.

Comentários