Home NotíciasBHProfessor da UFMG é preso por espancar companheira em BH

Professor da UFMG é preso por espancar companheira em BH

Um professor de Educação Física da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), de 48 anos, foi preso por espancar a companheira, na noite desse domingo (26). Ao BHAZ, Natália Kamura Bello, de 29 anos, disse que teve o nariz quebrado pelo homem após receber uma cabeçada. Segundo a Polícia Civil, o suspeito foi preso em flagrante, autuado por lesão corporal. Além disso, foi solicitada uma medida protetiva para a vítima.

Entre idas e vindas de um relacionamento abusivo, os dois se conheceram em um projeto da UFMG. “Eu era estagiária do projeto, em 2014, quando nos conhecemos. Começamos a nos relacionar alguns meses depois. Comecei a gostar muito dele, era uma pessoa muito boa comigo”, começa Natália, que pediu para não divulgar o nome do professor.

Primeira traição

A primeira separação aconteceu em 2017, sempre conforme relato de Natália. “O relacionamento já estava ruim. Ele me xingava muito, já existia a violência psicológica. Me chamava de pu**, vagabunda, tudo o que você imaginar. Quando eu descobri a traição, ele me mandou embora do projeto de ginástica, disse que eu nunca mais pisaria no ‘ginásio dele'”, relata.

Depois disso, a vítima conta que começaram as perseguições. “Tive que acionar a reitoria, por conta dele e da nova mulher que tinha arranjado. Ele justificou dizendo que a outra moça o obrigava a ficar com ela. Dizia que ela estava me ameaçando de morte”, continua a bacharel em Educação Física.

Reconciliação

Após esses episódios, Natália decidiu perdoá-lo, em 2018. “Eu estava morando em uma quitinete perto da UFMG. Ele disse que queria me proteger da ex-mulher, aí foi morar comigo. Os problemas começaram novamente. Ele saía à noite e chegava muito tarde em casa, quase às 6h, já de manhã, e sempre com justificativas estranhas”. Eles se mudaram para um apartamento maior, mas Natália continuava respondendo pelo imóvel.

No dia 26 de abril de 2019, o professor saiu de casa e esqueceu a bolsa. “Ele sempre andava com essa bolsa, estava sempre com ele. Eu já estava desconfiada e resolvi olhar. Dentro dela tinha um bilhete, com data do dia 9 de abril, de alguém falando que o encontro havia sido muito bom. Quando ele voltou para casa, eu o questionei, mas ele disse que tinha recebido de alguém no ginásio, mas não sabia de quem se tratava”, continua.

Durante todo o ano passado, Natália conta que ficou perguntando para o companheiro sobre o bilhete, mas sem resposta concreta. “As história estranhas continuaram. Ele falou que estava em depressão, que tinha vontade de morrer. Eu continuei com ele para tentar ajudá-lo, porque eu realmente gostava dele”, explica Natália.

Nova separação

“Ele começou a perguntar do meu passado, queria saber dos meus ex-namorados, tudo muito estranho. Não estava muito confortável, mas ele pediu tanto que eu acabei falando”, conta a vítima. Natália decidiu sair do apartamento, que é dela, por não aguentar mais o relacionamento e por o professor não ter onde morar.

“Fui morar com a minha mãe. Comecei aos poucos a tirar minhas coisas, nesse sábado (25). Fui levando minhas roupas, tirando do meu apartamento. Está tudo no meu nome, inclusive deixei um cheque caução, que só poderia pegá-lo de volta com um novo contrato”, explica.

No entanto, durante o processo de mudança, Natália descobriu uma nova traição. Com isso, ela desistiu de deixá-lo morar no apartamento, voltando no domingo (26) para mandá-lo sair do local.

Agressão física

“Falei para ele sair do apartamento, foi aí que ele começou a me agredir verbalmente. Me humilhou dizendo que eu não tinha nada, que ele poderia comprar um apartamento a qualquer momento. Novamente, me chamou de pu**, vagabunda e outros xingamentos”, continua a vítima.

“Falei com ele que ele era muito baixo. Ele tentou me agredir com a porta do banheiro, mas não conseguiu. Eu disse que jogaria as coisas dele pela janela, mas comecei a jogar em cima da cama. Ele tomou o celular da minha mão, de forma agressiva. Pegou meu telefone e disse que iria jogar pela janela. Eu puxei ele pela camisa, ele foi e me peitou, parou na minha frente e me deu uma cabeçada, quebrando o meu nariz”, desabafa.

Após a agressão, ela pediu socorro a um vizinho e o homem foi preso. Contudo, ela tem medo da impunidade. “Me ajudaram e chamaram a polícia. Sei como funcionam as coisas, tenho medo dele não ser punido e voltar a fazer isso. Ele vivia me agredindo psicologicamente, me culpava por tudo. Vivi um relacionamento abusivo”, completa.

Diretório de Educação Física se posiciona

O DA-EEFFTO (Diretório Acadêmico de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG) manifestou apoio à vítima e pede que o professor responda criminalmente pela agressão. “Exigimos que o caso seja apurado e que o professor seja afastado enquanto responde a acusação”.

O BHAZ tentou contato com o suspeito, em três oportunidades, mas não foi atendido. A reportagem também procurou a UFMG para repercutir a prisão do educador. Por meio de nota, a universidade disse acompanhar o caso e que “se for evidenciado qualquer infração a normas institucionais, tomará as medidas cabíveis”.

Nota da UFMG na íntegra

Sobre a acusação de agressão envolvendo um professor da UFMG, trata-se de uma ocorrência penal, que deve ser tratada primeiramente pelos órgãos responsáveis. A instituição está acompanhando o caso, e se for evidenciado qualquer infração a normas institucionais, tomará as medidas cabíveis. A UFMG reafirma que não coaduna com qualquer tipo de violência e reforça o que prevê a resolução nº 9/2016, que dispõe sobre os procedimentos contra a violação de direitos humanos e pela erradicação de atos discriminatórios no âmbito da universidade.

Vitor Fernandes

Vitor Fernandes

Jornalista no Portal BHAZ

Comentários