Home NotíciasBHBotijões de gás são vendidos a R$ 40 em BH e moradores fazem fila

Botijões de gás são vendidos a R$ 40 em BH e moradores fazem fila

botijões de gás petroleiros

Quem passou pelo bairro Santo André, na região Noroeste de Belo Horizonte, neste sábado (8), foi surpreendido por um protesto bastante diferente. Realizado por petroleiros em greve, o ato tinha como objetivo vender botijões de gás por R$ 40. Ao todo, 200 recipientes de 13kg foram vendidos com 50% de desconto em um posto montado no local.

A ação foi realizada por integrantes do Sindipetro-MG (Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais) em manifestação contra preços considerados abusivos. Além da capital, a iniciativa também já ocorreu no Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul e Bahia. “Nós podemos e devemos vender o gás de cozinha mais barato, esse preço inacessível para a população não faz bem nem para a Petrobras, nem para o Brasil. (…) a gente pode garantir o lucro da empresa e ainda assim garantir um preço justo para a população”, explicou Alexandre Finamori, presidente do sindicato.

Finamori ainda explicou que dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que mais de 18% da população não tem acesso ao gás por causa do preço. “Um  a cada cinco  brasileiros usa lenha ou outra forma não convencional para preparar o alimento”, afirma.

Leia também:  Rixa entre idosos termina com homem assassinado em BH; Causa seria racismo

A greve dos petroleiros chegou ao oitavo dia neste sábado (8). A FUP (Federação Única dos Petroleiros) explica que a paralisação ocorre por conta de demissões em massa, além do fechamento de unidades da Petrobras e também pela possibilidade de privatização.

Leia também:  Briga de trânsito entre PMs termina com um deles gravemente ferido na Grande BH

“As medidas autoritárias e inconstitucionais da gestão da Petrobrás, na tentativa de enfraquecer a greve dos petroleiros, estão surtindo efeito contrário. A categoria segue forte e unida, resistindo à pressão e ao assédio das gerências. Neste sábado, 08, a FUP contabilizou 86 unidades em todo o Sistema Petrobrás cujos trabalhadores aderiram à greve nacional. São 13 estados do país mobilizados, cobrando a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) e o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho”, diz comunicado publicado no site da FUP.

Produção de petróleo não foi afetada por greve, diz Petrobras

No último dia 3, a Petrobras informou que a paralisação dos petroleiros não provocou impactos na produção de petróleo, combustíveis e derivados.

Leia também:  Dia Livre de Impostos online: BH terá 200 lojas com descontos de até 70% nesta quinta-feira

Em nota, a Petrobras informou que o movimento grevista iniciado em algumas de suas unidades é injustificado, pois o acordo coletivo de trabalho foi assinado por todos os sindicatos em novembro de 2019 e as negociações previstas estão seguindo curso normal e, segundo a empresa, os motivos alegados pela FUP não atende aos critérios legais. “Reforçamos que, em todos itens apontados pelas entidades sindicais, a companhia vem cumprindo rigorosamente os compromissos firmados e segue aberta para dialogar com as entidades”.

A companhia informou que todas as suas unidades de produção de petróleo, combustíveis e derivados estão em operação dentro dos padrões de segurança. Não há impactos na produção e nem no abastecimento ao mercado.

Com Agência Brasil

 

Comentários