Home NotíciasBHHomem cria corrente para achar dona de material escolar perdido em ônibus de BH: ‘Há esperança’

Homem cria corrente para achar dona de material escolar perdido em ônibus de BH: ‘Há esperança’

material escolar em onibus

“Ainda há esperança, podemos acreditar que existem pessoas boas mesmo neste mundo cheio de tragédias”. É assim que ficou a auxiliar administrativo Jordana Silva, tomada por gratidão, após receber de volta uma sacola cheia de material escolar da filha, de 6 anos. Os objetos foram deixados no coletivo 3503 (São Terezinha/São Gabriel), na última sexta (7).

O responsável pelo gesto simples – que deveria ser corriqueiro, mas aparenta estar em extinção – é o arquivista Gustavo Novaes. “Eu estava voltando pra casa no ônibus lotado quando vi a Jordana entrando cheio de sacolas, com material escolar. Ofereci para segurar os objetos e acabei dormindo”, conta ao BHAZ.

Pouco depois, ele foi acordado pela Jordana, que estava descendo do coletivo em um ponto no bairro São Gabriel, na região Nordeste da capital mineira. Gustavo entregou os materiais e aquela história parecia acabar ali. Só que não…

“Pouco depois, uma mulher que estava atrás de mim me cutucou e avisou que tinha uma sacola debaixo do assento. Percebi, na hora, que era uma das sacolas da mulher que eu tinha ajudado”, relembre. “Pensei em deixar no ponto final, mas fiquei receoso que alguém poderia agir de má índole”.

Gustavo, então, decidiu usar a internet. Relatou o ocorrido nas redes sociais e suas publicações receberam milhares de compartilhamentos. Até que…

‘Esperança’

Jordana se deu conta que tinha esquecido materiais da filhinha, que estreia na próxima semana no Ensino Fundamental, pouco depois de chegar em casa. “Tentei achar o telefone da garagem de ônibus, mas não consegui. Quando corri pra internet pra pedir ajudar, vi a publicação do Gustavo”, conta ao BHAZ.

“Foi a primeira publicação que eu vi em um grupo do bairro. A sacola, os cadernos eram da minha filha. Trocamos contato e ele fez questão de entregar o material aqui em casa”, conta Jordana, que já está novamente com a mercadoria desde sábado.

“A atitude foi muito bacana. Eu estava mal por ter esquecido o material da minha filha, que está ansiosa pra começar a escolinha… Ainda há esperança, ainda existem pessoas boas, que fazem as atitudes corretas”, agradece a auxiliar. “Isso sem falar que eu ia ter um gasto dobrado, tanto de dinheiro quanto deslocamento”.

“A honestidade prevaleceu, como deve ser”, resume Gustavo.

Comentários