Com cara de domingo: Cruzeiro e América fazem 1º clássico do ano sem graça e não saem do empate

cruzeiro america campeonato mineiro
Cruzeiro e América ficaram no empate pelo Campeonato Mineiro (Bruno Haddad/Cruzeiro + Mourão Panda/América)

Por Sara Zeferino

Principais atrações dos sonolentos campeonatos estaduais, os clássicos regionais tiveram o pontapé inicial, em Minas, neste domingo (9) no confronto entre Cruzeiro e América. Mas a expectativa de um duelo interessante ficou só no papel mesmo. Em jogo fraco, os times celeste e tricolor empataram em 1 a 1 no Mineirão.

Com o resultado, as equipes continuam invictas no campeonato e se mantêm no topo da tabela – mas o Cruzeiro perde o status de único time com 100% de aproveitamento. A Raposa pode deixar, ainda, a liderança caso o Atlético vença o URT – posição que pode ser recuperada em breve, já que tem um jogo a menos.

O próximo jogo do Cruzeiro será na quinta (13), às 21h30, contra o São Raimundo, pela Copa do Brasil. Pelo Mineiro, o time enfrentará o Patrocinense no domingo (16), às 19h.

Já o América terá uma semana de descanso, mas também de preparo, para o seu próximo confronto no estadual. O tricolor enfrentará o Coimbra, na próxima segunda (17), no Independência, às 20h30.

Começo truncado

Nos primeiros 15 minutos da partida, os dois times estavam bem compactados em campo, o que dificultou os ataques e também a dinâmica da partida. Com o jogo travado e disputado, as equipes abusaram daquele tempo usual “de reconhecimento”.

Coelho mais perigoso!

Mesmo com um início de jogo mais fechado, o América foi o primeiro a levar real perigo contra o adversário. Logo depois de um erro na saída de bola do lateral-esquerdo João Lucas, a bola sobrou para Ademir, que aproveitou e cruzou para Felipe Augusto. O atacante arriscou um chute de primeira, mas não conseguiu abrir o placar.

Marcação encaixadinha

O América conseguiu deixar suas linhas muito bem organizadas em campo, o que dificultou bastante a infiltração do Cruzeiro na área americana. Com a marcação bem arrumadinha, o time do América complicou bastante a vida dos jogadores do time celeste.

1T com cara de domingo

Os primeiros 45 minutos de jogo não proporcionaram fortes emoções para os torcedores e nem para os goleiros de ambas as equipes. A etapa inicial teve, de positivo, marcações bem encaixadas. Por outro lado, nada de dinâmica ou mesmo jogada emocionante – muito menos bola pro fundo das redes.

Mudanças!

Ambos os técnicos resolveram fazer mudanças em suas equipes na volta do vestiário. Pelo lado do América, Lisca colocou o Diego Ferreira no lugar de Leandro Silva, apenas uma reposição na lateral-direita. Já o Adilson Baptista tirou o Jhonata Robert e mandou o garoto da base Marco Antônio para o jogo, na tentativa de levar mais dinâmica para a equipe.

O coelho chegou…

Se no 1T a dupla dinâmica Ademir e Felipe Augusto chegou próximo do gol, no segundo tempo eles sacramentaram o primeiro tento do jogo. Em uma bela chegada pela esquerda, Felipe Augusto recebeu a bola sem marcação e mandou um belo passe rasteiro para Ademir, que mandou para o fundo do gol. 1 a 0!

… e a raposa respondeu!

Em menos de 10 minutos, o Cruzeiro correu atrás e buscou o gol de empate. Após uma recuperação, Edilson tocou para Maurício, que ajeitou a bola e mandou um belo chute de esquerda. O goleiro Airton não conseguiu impedir o gol. Tudo igual no Mineirão!

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 1 X 1 AMÉRICA

Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 09 de fevereiro de 2020, domingo
Horário: 16h (Brasília)
Arbitragem: Wanderson Alves de Souza
Assistentes: Pablo Almeida Costa e Leonardo Henrique Pereira
Gols: Maurício, aos 32 minutos do segundo tempo (Cruzeiro); Ademir, aos 24 do segundo tempo (América)
Cartões Amarelos: Jadsom Silva, Machado e Edílson (Cruzeiro); Zé Ricardo (América)

CRUZEIRO: Fábio; Edílson, Cacá, Léo e João Lucas; Machado, Jadsom Silva (Judivan), Everton Felipe, Maurício, Jhonata Robert (Marco Antônio) e Roberson (Welinton)
Técnico: Adilson Batista

AMÉRICA: Airton; Leandro Silva (Diego Ferreira), Lucas Kal, Eduardo Bauermann e Sávio; Zé Ricardo, Juninho e Alê; Felipe Augusto (Léo Passos), Rodolfo e Ademir (Rickson).
Técnico: Lisca