Home NotíciasBHReagentes para identificar dietilenoglicol em vítimas de intoxicação acabam e polícia aguarda compra de produto

Reagentes para identificar dietilenoglicol em vítimas de intoxicação acabam e polícia aguarda compra de produto

reagente dietilenoglicol backer polícia civil

Os reagentes utilizados pela Polícia Civil de Minas Gerais nas investigações dos casos suspeitos das vítimas de intoxicação por dietilenoglicol acabaram. A informação foi confirmada pela polícia na tarde desta quarta (12). De acordo com a corporação, os produtos não são de uso comum nas necropsias e, por isso, não eram guardados em grande volume.

Em nota (confira na íntegra abaixo), a polícia disse que, apesar da falta do reagente, as investigações seguem normalmente e estão adiantadas. “Parte das análises laboratoriais já foi concluída e os laudos já foram liberados. Outra parte está em andamento, necessitando de finalização de compra de reagentes específicos”, diz a PC. 

As investigações por conta da presença de substâncias tóxicas nas cervejas da Backer chegaram ao seu 36º dia nesta quarta. Até o momento, 29 pessoas, entre vítimas e familiares, foram ouvidas pela Polícia Civil. As autoridades investigam 34 casos suspeitos de intoxicação. Até o momento, seis mortes também são apuradas, em uma delas, o dietilenoglicol foi confirmado como a causa da morte.

Desde o início das investigações, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) ordenou que a Backer suspendesse a venda de suas cervejas e recolhesse os rótulos do mercado. Segundo o ministério, os contaminantes etilenoglicol ou dietilenoglicol foram encontrados em 41 lotes de cerveja de dez rótulos da empresa.

Nota da PCMG

“A PCMG informa que as investigações referentes à síndrome Nefroneural estão bem adiantadas. Parte das análises laboratoriais já foi concluída e os laudos já foram liberados. Outra parte está em andamento, necessitando de finalização de compra de reagentes específicos.  Tais reagentes não são de uso comum nas necropsias realizadas diariamente, não se justificando manutenção em estoque.

A PCMG reafirma que as investigações seguem seu curso normal”.

Comentários