Home NotíciasMinas GeraisZema prioriza segurança e não atende professores em greve: ‘Conto com o sacrifício’

Zema prioriza segurança e não atende professores em greve: ‘Conto com o sacrifício’

Zema prioriza segurança e esquece professores

O governador Romeu Zema (Novo) sinalizou nessa quarta-feira (12), em uma publicação no Twitter, que a greve dos professores estaduais não vai resultar em aumento de salário. No entanto, o mandatário garantiu reajuste para os profissionais da segurança.

Os educadores vão se reunir nesta sexta-feira (14) para decidir os rumos do movimento. “Lamento pela greve e conto com o sacrifício dos profissionais da área”, escreveu o chefe do Executivo mineiro.

Conforme o Sind-UTE/MG Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) , a categoria reivindica o pagamento do Piso Salarial Profissional Nacional, a defesa do emprego e “do direito a uma educação pública de qualidade social”. A coordenadora-geral do sindicato, Denise Romano, disse ao BHAZ que a categoria já se sacrificou demais.

“Nós já estamos sacrificados há muito tempo. Estamos sacrificados por que temos uma lei estadual de 2015 que está sendo descumprida, por que a Constituição do Estado não está sendo cumprida em relação ao piso salarial profissional nacional , estamos sacrificados pelo parcelamento de salários, pela ausência de pagamentos de 13º para 25% da nossa categoria, pelo desemprego estrutural que a política educacional do governo Zema tem colocado, tem nos imposto desde o ano de 2019”, explicou ao BHAZ.

+ Ano letivo começa com greve de professores por tempo indeterminado em Minas

Explicação

Zema justificou que os servidores da segurança estão há seis anos sem reposição salarial. Além disso, ele ressaltou que a queda na criminalidade tem aumentado a “segurança das famílias”.

Ainda na rede social, o governador acrescentou que a PM tem poucos homens (cinco mil a menos que há 11 anos). “Deixo claro que não somente a segurança é fundamental para o desenvolvimento do Estado. Gostaria de fazer o mesmo para todas as categorias, mas a situação financeira é alarmante. Acredito que com as reformas vamos avançar”, complementou Zema.

Professores disseram sim para a paralisação (Ísis Medeiros/Sind-UTE)

Repercussão

Internautas criticaram a publicação do governador. “Mas, senhor Romeu Zema, o piso salarial é lei. Está escolhendo não cumpri-la?”, escreveu uma usuária da rede social.

“Desculpa Governador, mas penso que, ou faz para todos, ou não faça pra ninguém… isso é ser justo”, postou outro.

Alguns usuários do Twitter defenderam a postura do governo de Minas. “Segurança tem que ser prioridade”, postou uma usuária.

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Jornalista no Portal Bhaz

Comentários