Cartas para Suzy: Matéria gera mobilização e secretaria divulga endereço para envio de mensagens

Suzy Oliveira protagonizou um momento emocionante com o médico Dráuzio Varella (Twitter/Reprodução)

A reportagem do médico Dráuzio Varella sobre a realidade das mulheres trans em presídios continua repercutindo nacionalmente. Com muitas pessoas querendo enviar cartas à Suzy Oliveira, personagem que protagonizou um abraço emocionado com o médico, a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) resolveu ajudar divulgando o endereço da penitenciária em que ela cumpre pena.

+ Dráuzio Varella emociona ao abraçar mulher trans em presídio: ‘Solidão né, minha filha?’

Conduzida pelo médico Dráuzio Varella, a história sofrida das mulheres e a abordagem humanizada dele deixaram boa parte da audiência emocionada, nesse domingo (1º). Em um dos momentos mais tocantes, uma das trans, com os olhos marejados, revelou ao médico que não recebeu nenhuma visita na cadeia em um intervalo de 8 anos. “Solidão né, minha filha?”, comentou Dráuzio, acolhendo a presidiária com um abraço em seguida.

https://twitter.com/MessiasCunha4/status/1234853098553778179

Secretaria informa como proceder

Logo após a reportagem, a SAP recebeu pedidos de todo Brasil, de pessoas e entidades, interessadas em enviar cartas à reeducanda. “Diante disso, a SAP esclarece que o endereço para envio de correspondência é o da unidade: Rua Benedito Climérico de Santana, 600, Várzea do Palácio, CEP 07034-080, Guarulhos (SP). Favor colocar o nome da reeducanda no envelope”, diz trecho do comunicado.

Para complementar, o órgão ainda esclareceu que “os presos recebem corriqueiramente material de higiene da unidade prisional, e, especificamente no caso da presa Suzy, ela recebe mensalmente 75% do salário mínimo pelo trabalho da empresa que presta serviços, recurso que pode usar para complementar suas despesas pessoais”.

Nas redes sociais, as pessoas abraçaram a causa e prometeram enviar cartas à Suzy. Outros lembraram que não é somente a personagem do Fantástico que vive nessas condições e, com isso, pediram para que as cartas também sejam enviadas para outras.

https://twitter.com/gisousac/status/1234889915655229441

Me chame pelo meu nome

Para promover a inclusão social, a Defensoria Pública de Minas Gerais iniciará o “Mutirão para Retificação de Nome e Gênero de Pessoas Transexuais e Travestis”, para que seja feita a regularização da documentação pessoal em relação a identidade de gênero. Para esta edição, serão 200 vagas gratuitas nos cartórios de registro civil em Minas Gerais.

Qualquer pessoas transexual ou travesti, com mais de 18 anos, pode requerer o nome social. Para ter o direito a gratuidade, deve ter renda formal comprovada de até um salário mínimo e meio.

As inscrições poderão ser feitas, a partir do dia 9, na Defensoria Pública ou por WhatsApp (31 99288-0353). Os documentos necessários são: RG, CPF, título de eleitor, comprovante de endereço e passaporte (caso possua).