Home NotíciasBrasilHomem reclama de limpeza e estupra faxineira no local de trabalho

Homem reclama de limpeza e estupra faxineira no local de trabalho

Polícia prende garis suspeito de mostrar órgão genital para meninas

Da PCMT

O suspeito de um estupro praticado contra uma colega de trabalho em Confresa, cidade a 1.160 km de Cuiabá, no Mato Grosso, foi rapidamente preso pela Polícia Civil. O crime ocorreu na madrugada de domingo (5), em uma fazenda na zona rural do município.

Leia mais: Nego do Borel sofre acidente e precisa passar por cirurgia

O suspeito de 31 anos foi localizado pelos policiais civis nessa segunda-feira (6), e autuado em flagrante pelo crime de estupro. A vítima de 47 anos havia sido contratada para trabalhar na propriedade agrícola para prestar serviços de limpeza. Durante a madrugada, o suspeito, que também era funcionário da fazenda, foi até o local onde a mulher dormia para reclamar que o quarto dele não havia sido arrumado por ela.

Com medo, a vítima não abriu a porta para o rapaz que gritava pela janela, então, ele arrebendou a porta e entrou no cômodo. Ato contínuo, o acusado enforcou a vítima e praticou o ato sexual. Logo após cometer o estupro, ele fugiu e a vítima conseguiu pedir por socorro. Ela apresentava escoriações no rosto, joelho e na parte interna da boca.

Ainda ao amanhecer, o suspeito foi visto pelos colegas de trabalho na cozinha da fazenda, com uma mochila nas costas. Indagado sobre o ocorrido,ele negou os fatos e em seguida saiu a pé. 

Leia mais: Jornalista da CNN faz comentário absurdo sobre homossexuais

Assim que tomaram conhecimento do crime, policiais civis iniciaram as diligências, conseguindo localizar o suspeito na noite de segunda-feira (6), em uma residência no centro da cidade de Confresa. Ao ser surpreendido, o homem não ofereceu resistência e foi levado para a Delegacia de Polícia.

Depois de ser interrogado, o homem foi autuado em flagrante por estupro. Em seguida, foi encaminhado para Cadeia Pública de Porto Alegre do Norte, permanecendo à disposição da Justiça.

Comentários