Zema detalha plano para retomar economia em meio à onda de Covid-19: ‘A situação é segura’

protocolo reabertura comércio
Zema anuncia protocolo para retomar economia no Estado (Facebook/ @RomeuZema + Amanda Dias/ BHAZ)

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), detalhou em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (23), como vai funcionar o protocolo para a retomada da economia no estado. O mandatário informou que o plano, intitulado “Minas Consciente – Retomando a economia do jeito certo”, é uma espécie de padrão que tem o intuito de permitir a reabertura dos comércios de maneira segura e padronizada.

A decisão de abrir, ou não, setores do comércio é do poder municipal. Isso porque, as prefeituras são os órgãos que conferem os alvarás de funcionamento.

O governador dividiu as áreas da economia em quatro grupos (ondas) e os diferenciou por cores: branco, verde, amarelo e vermelho (confira os detalhes abaixo). A partir da próxima segunda-feira (27), o site do programa estará no ar para que os prefeitos e empresários possam se informar.

+ Zema anuncia protocolo para retomada da economia; abertura deve ocorrer em duas a três semanas

“Gostaria de salientar que mais da metade dos municípios mineiros já estão com as atividades restabelecidas há 10 ou 15 dias. A situação é segura. Na última semana tivemos 59 casos por dia e uma média de 2,5 mortes. Esses números estão estáveis”, informou Zema.

Até essa quinta-feira (23), Minas Gerais registrou 1.308 casos do novo coronavírus, 51 mortes e outros 85 óbitos estão em investigação.

Como foi feita a divisão das ondas?

Segundo o chefe do Executivo estadual, o plano foi construído a partir de uma parceria entre a (Sedese) Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e a SES (Secretaria de Estado de Saúde).

Primeiro, a Sedese fez uma lista levando em consideração o número de trabalhadores de cada setor, o impacto do fechamento dos serviço para a economia, a importância de cada setor para a sociedade e os aspectos fiscais. Depois, a SES fez um cruzamento de dados levando em consideração, por exemplo, o potencial da aglomeração da atividade.

Além disso, um estudo foi realizado por região. Os prefeitos saberão o número de doentes de cada área e também o número de leitos disponíveis. O governador acrescentou que 3% dos leitos de UTI do Estado estão abrigando pessoas com Covid-19. “Dá uma folga de 47% de leitos, a outra metade está ocupada por pessoas com outras doenças”, acrescentou.

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, ressaltou que a iniciativa não é rígida. Dependendo do número de casos, o plano pode sofrer alterações. “Nós podemos avançar, parar ou retornar ao nível anterior”, explicou Carlos.

‘Onda 0’

Os serviços essenciais que já estão funcionando foram nomeados de “onda 0”. A ideia é que os prefeitos e empresários dos 853 municípios de Minas Gerais adotem os mesmos cuidados para manter os negócios. As orientações de uso de máscara, higienização e a proibição de aglomerações estão mantidas.

Entre os setores que compõem a “onda 0”, estão: hipermercados, lojas de material de construção, autopeças, farmácias, revenda de gás, padaria, açougue, posto de gasolina, e etc.


Zema apresenta flexibilização ( @RomeuZema/ Twitter/ Reprodução)

‘Primeira Onda’

A partir de quarta-feira (29), estará disponível no site do projeto os parâmetros para a reabertura dos serviços classificados como “onda 1”. O governo considerou que esses serviços tem “baixo risco”.

Entre os setores estão lojas de artigos esportivos, empresas de publicidade, lojas de vestuário e calçados, lojas de fogos de artifício, agências de turismo, concessionárias, entre outros.

Zema apresenta flexibilização ( @RomeuZema/ Twitter/ Reprodução)

‘Segunda Onda’

A “onda 2” abrange empresas que, conforme a classificação do governo, apresentam risco médio para a disseminação da Covid-19. Zema não informou a data que os protocolos referentes a esses servições estarão disponíveis no site.

Fazem parte da lista comércios como papelarias, floriculturas, comércio de animais vivos, tabacaria, hotéis, lojas de brinquedo, e etc.

Zema apresenta flexibilização ( @RomeuZema/ Twitter/ Reprodução)

‘Terceira onda’

As empresas que integram a ”onda 3″ são aquelas com maior risco de disseminação do novo coronavírus, de acordo com o estudo. No grupo dos últimos comércios que vão reabrir estão livrarias, lojas de variedades, salões de beleza, bancas de jornais, lojas duty free de aeroportos. A data sobre a publicação do protocolo referente à ‘onda 3’ também não foi anunciada.

Zema apresenta flexibilização ( @RomeuZema/ Twitter/ Reprodução)

É o fim do isolamento?

O governador Romeu Zema e o secretário de saúde, Carlos Eduardo Amaral, reforçaram, mais de uma vez, durante a coletiva de imprensa, que o plano não é um relaxamento ou uma flexibilização dos cuidados com relação a propagação da Covid-19. “Não tivemos um crescimento exponencial, mas devemos ficar atentos”, destacou Carlos.

O vírus, conforme o governador, vai perdurar no meio da sociedade e não será “aniquilado”. O mandatário considera que os mineiros precisarão mudar os hábitos de vida até que surja uma vacina. As autoridades pediram ainda para que as pessoas que puderem, fiquem em casa.

+ ‘Se relaxarmos agora, todo esforço será perdido’: Isolamento deve ser reforçado em BH, diz pesquisador da UFMG

“A vida das pessoas vale muito”

Usuários da internet que acompanharam a coletiva do governador tem opiniões diversas com relação a retomada da economia em Minas. “O Sr. está certo em liberar o comércio de forma responsável. Seja responsável também com o Sistema Prisional, tire o poder das mãos de quem não entende da pasta”, recomendou uma seguidora.

“A vida das pessoas vale muito! Não se pode tomar medidas para colocar as vidas em risco. É o pobre trabalhador que pagará um preço alto”, retrucou outro. Acompanhe outras reações:

Situação da Covid-19 no país

O número de mortes em razão da pandemia do novo coronavírus chegou a 2.906, conforme balanço mais recente divulgado nesta quarta-feira (22) pelo Ministério da Saúde. Já os casos confirmados subiram para 45.757. O índice de letalidade ficou em 6,4%.

O número de óbitos teve um aumento de 6% em relação a ontem (21), quando foram registradas 2.741 vítimas de covid-19. Já os casos confirmados representaram um crescimento de 6,2% sobre os dados de ontem, quando foram contabilizadas 43.079 pessoas infectadas.

Como se proteger do coronavírus?

A SES-MG (Secretaria de Estado de saúde) orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Com Agência Brasil

Aline Diniz
Aline Dinizaline.diniz@bhaz.com.br

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.