Home NotíciasBrasilFiscal de supermercado leva tiro e morre após cliente sem máscara ser ‘barrado’ no local

Fiscal de supermercado leva tiro e morre após cliente sem máscara ser ‘barrado’ no local

Uma fiscal de um supermercado localizado na cidade de Araucária, na região metropolitana de Curitiba (PR), morreu nesta terça-feira (28) depois de ser baleada dentro do estabelecimento. A funcionária, cuja identidade não foi divulgada, tentava apaziguar um desentendimento entre um segurança e um cliente que tentou entrar no local sem usar máscara.

De acordo com a Guarda Municipal da cidade, o segurança do supermercado tentou impedir que o cliente entrasse sem o uso do equipamento de proteção, que tornou-se obrigatório no comércio local por conta da pandemia do novo coronavírus.

Leia mais: Companhia aérea de voos regionais vai operar no Aeroporto da Pampulha

A Guarda Municipal relata ainda que o segurança e o cliente entraram em luta corporal e que o funcionário realizou um disparo. O tiro acertou o cliente de raspão- ele foi levado para um hospital na região -, e atingiu a fiscal em cheio. O segurança, por sua vez, foi levado para uma delegacia.

Por meio de nota, a rede responsável pelo supermercado, a Condor, lamentou o caso e disse que um funcionário da empresa e um segurança terceirizado foram agredidos pelo cliente. Já o Grupo Protege, responsável pela segurança declarou que “presta total solidariedade aos familiares e amigos da vítima”, além de colaborar com as autoridades no caso.

Nota supermercados Condor na íntegra

Leia mais: PF prende suspeito de ameaçar Rodrigo Maia e ministros do STF

“A rede lamenta profundamente o ocorrido em sua loja de Araucária e informa que está prestando todo o apoio e ajuda à família.

A empresa também está contribuindo com as investigações e prestando todos os esclarecimentos necessários para que as autoridades esclareçam os fatos.

Segundo informações obtidas pela Guarda Municipal de Araucária, o incidente foi desencadeado por um cliente que tentou entrar no estabelecimento sem máscara e, que ao ser informado sobre o decreto Municipal que exige o uso da EPI, agrediu o funcionário, que inclusive tentou oferecer uma máscara da empresa, sem custo, para que ele pudesse fazer as suas compras.

O funcionário agredido pediu ajuda pelo rádio para empresa terceirizada de segurança. O cliente e o vigilante estavam calmamente se direcionando para a entrada da loja, onde o cliente iniciou uma série de agressões contra o vigilante e tentou pegar a arma do segurança.

Houve um disparo que atingiu de raspão o cliente agressor e um disparo que atingiu a fiscal de loja, que estava tentando apaziguar a situação e prestar os esclarecimentos sobre os decretos.”

Nota Grupo Protege na íntegra

“A empresa lamenta profundamente o ocorrido e presta total solidariedade à família e aos amigos da vítima. Informamos que empresa está colaborando com as autoridades na busca de informações que possam contribuir para a investigação do caso.”

Comentários