Home NotíciasCoronavírusCientista que fez Reino Unido adotar quarentena renuncia após furar isolamento para encontrar amante

Cientista que fez Reino Unido adotar quarentena renuncia após furar isolamento para encontrar amante

cientista britanico renuncia

O cientista Neil Ferguson, que propôs ao governo britânico o estabelecimento do “lockdown” para conter os efeitos da pandemia de Covid-19, pediu demissão do comitê que assessora o governo após um jornal revelar que ele “furou a quarentena” para encontrar a amante.

Ferguson é epidemiologista e trabalhava como consultor científico para o governo do Reino Unido há 20 anos. Ele ficou conhecido recentemente por convencer o premiê Boris Johnson a adotar medidas mais restritas de confinamento para combater o coronavírus no país.

Leia mais: Guarda interrompe bailes funk com mais de 450 pessoas em Contagem

Nessa terça-feira (5), o jornal britânico The Telegraph revelou que a amante do cientista, Antonia Staats, o visitou na casa dele depois do dia 23 de março, quando foram estabelecidas as medidas de isolamento social. A mulher, de 38 anos, é casada e vive com o marido e com filhos.

Segundo a publicação, ela teria atravessado a cidade de Londres pelo menos duas vezes para visitar o amante, apelidado pela população de “Professor Lockdown”. Ferguson havia acabado de completar as duas semanas de isolamento após testar positivo para o coronavírus.

O cientista é conhecido pelo estudo que liderou na Imperial College London, que previa a morte de meio milhão de britânicos caso as medidas de distanciamento social não fossem aplicadas no país. Até então, o recomendado pelo governo era que apenas pessoas que testassem positivo para o vírus ficassem em casa por sete dias.

Leia mais: ‘Achei que o vírus fosse fake’, admite jovem antes de morrer por Covid-19

Ao Telegraph, o epidemiologista assumiu o erro e comunicou a saída do governo. “Eu confesso que cometi um erro e tomei uma decisão errada. Portanto, eu me retirei do SAGE [Grupo Assessor Científico para Emergências]. Eu agi acreditando que estava imune, após ter testado positivo para coronavírus e me isolado por quase duas semanas depois de desenvolver os sintomas”, explicou.

“Eu lamento profundamente ter diminuído a validade das mensagens claras que envolvem a necessidade contínua de distanciamento social para controlar essa epidemia devastadora”, concluiu Ferguson.

A amante fez a segunda visita no dia 8 de abril, quando, segundo relatos, seu marido estava com sintomas de Covid-19. Ao jornal, ela declarou que mantém um relacionamento aberto com o marido e não acredita que tenha sido hipócrita, já que a casa do cientista é seu “segundo lar”.

Sofia Leão

Sofia Leão

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários