Home NotíciasBHPBH suspende multa para quem estiver sem máscara na capital; acessório permanece obrigatório

PBH suspende multa para quem estiver sem máscara na capital; acessório permanece obrigatório

máscaras bh

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), revogou a multa prevista para aqueles que não utilizassem máscaras na capital mineira. A novidade foi publicada no DOM (Diário Oficial do Município) desta sexta-feira (8). Mesmo sem a punição em dinheiro, o uso do acessório segue sendo obrigatório. A máscara é importante para frear a disseminação da Covid-19.

A decisão do chefe do Executivo da capital mineira ocorreu após uma recomendação do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais). A partir desta sexta-feira, a Guarda Municipal não poderá mais aplicar a sanção de R$ 80 para aqueles que estiverem sem o assessório na capital mineira.

Leia mais: Com febre, Bolsonaro faz exame de Covid-19 e toma hidroxicloroquina

Kalil revogou ainda a multa de R$ 20 mil para comerciantes que abrissem as portas de seus estabelecimentos em Belo Horizonte. No entanto, é importante esclarecer que a retomada dos comércios continua suspensa.

+ Máscaras e mais: Ministério Público recomenda que PBH suspenda multas relacionadas à Covid-19

Condomínios

Leia mais: Vereadores de BH querem aplaudir Bolsonaro por ‘atuação exemplar’ na pandemia

Os responsáveis por prédios também não serão mais multados “em vinte vezes o valor do condomínio” em caso de festas e eventos em áreas comuns.

Eventos Drive-in

Os eventos no modelo drive-in continuam proibidos. Estão suspensas festas, comemorações, exposições e outras atividades que reúnam pessoas dentro de carros estacionados em espaços públicos ou privados.

+ Após interferência do MPMG no Drive-in Church, PBH proíbe eventos em carros em Belo Horizonte

O que diz o MPMG sobre multas?

De acordo com a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, “apesar da relevância das medidas” propostas pelo prefeito, é preciso existir lei para que elas possam valer.

“Sem a criação de lei pelo Poder Legislativo Municipal de Belo Horizonte, os supostos decretos ou atos normativos editados padecem de nulidade absoluta, e configuram, em tese, ato de improbidade administrativa”, alegou o órgão.

Aline Diniz

Aline Diniz

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.

Comentários