Home NotíciasBrasilBolsonaro cancela churrasco e ‘peladinha’ após recorde de mortes por Covid-19

Bolsonaro cancela churrasco e ‘peladinha’ após recorde de mortes por Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cancelou o churrasco com “futebolzinho” que faria neste sábado (9) no Palácio da Alvorada, em Brasília. Ele havia convidado ministros e outros integrantes do governo, mas teria desistido do “encontro” diante dos quase 10 mil mortos por Covid-19 no Brasil. As informações são da Folha de S. Paulo.

Segundo a Folha, aliados de Bolsonaro contaram, reservadamente, que a decisão para o cancelamento surgiu após a repercussão negativa do churrasco. Apesar disso, nenhuma justificativa oficial foi apresentada.

Leia mais: Vereadores de BH querem aplaudir Bolsonaro por ‘atuação exemplar’ na pandemia

Ainda de acordo com a publicação, auxiliares de Bolsonaro contaram que o núcleo duro do governo, formado por ministros que despacham no Palácio do Planalto, pode aparecer no Alvorada. Por volta das 10h30, o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, chegou de moto por lá.

O churrasco

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), disse, em entrevista coletiva na noite da quinta-feira (7), que faria um churrasco para convidados neste sábado (9), em Brasília.

Leia mais: Morre, aos 47 anos, Jaburu; jardineiro elogiado após sofrer humilhações por erro de português

Em tom irônico, o presidente disse que o evento deveria reunir cerca de 30 pessoas. “Estou cometendo um crime, vou fazer um churrasco na sábado aqui. Convidei o Wagner, ministro da CGU (Controladoria Geral da União), ele vai trazer o filho dele de 13 anos. Só que não olha para nós, o bicho vai pegar, tá certo? Quem sabe fazer uma peladinha, alguns ministros, servidores que estão do meu lado”, começou.

“Inclusive vai ter uma vaquinha, de R$ 70, e não vai ter bebida alcoólica, se não a primeira-dama bota todo mundo para correr”, disse o presidente que, na sequência, brincou com uma pessoa que não aparece no vídeo e perguntar se ela gostaria de jogar futebol com ele.

Nas redes sociais, as pessoas se manifestaram contrárias à declaração do presidente que, novamente, desrespeita as medidas de isolamento social.

Recorde de mortes

Com 10.222 novos casos confirmados de Covid-19, o Brasil chegou a 145.328 pessoas infectadas nessa sexta-feira (8), um aumento de 7,5% em relação ao dia anterior, quando foram registradas 135.106 pessoas nessa condição. A atualização foi divulgada pelo Ministério da Saúde. O número foi o segundo mais alto, abaixo apenas do recorde de quarta-feira (6), quando os novos casos atualizados somaram 10.503.

Do total de casos confirmados, 76.134 estão em acompanhamento (52,4%), 59.297 estão recuperados (40,8%) e 1.852 mortes estão em investigação.

O Brasil bateu novo recorde de mortes, com 751. A marca de 9.897 representou um acréscimo de 8,2% em relação a quinta-feira, quando foram contabilizados 9.146 falecimentos. O número levou a um novo patamar, depois de uma semana na casa dos 600 óbitos ao longo da semana. A letalidade ficou em 6,8%.

Reforce a proteção contra o vírus

Autoridades de saúde orientam que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Comentários