Home NotíciasBHProibição de promoções, sem ar-condicionado… Confira as exigências da PBH na flexibilização do comércio

Proibição de promoções, sem ar-condicionado… Confira as exigências da PBH na flexibilização do comércio

restricoes exigencias pbh comercio reabertura

A reabertura gradual do comércio em Belo Horizonte terá seu pontapé inicial na próxima segunda-feira (25). Depois do dia 17 de março, quando o prefeito Alexandre Kalil (PSD) publicou o primeiro decreto restringindo o setor, é a primeira ação para afrouxar o segmento. No entanto, os comerciantes deverão respeitar exigências da administração municipal.

Entre as restrições, estão a realização de promoções; o uso de ar-condicionado; sinalização no chão para que o distanciamento mínimo seja respeitado e a proibição de bebedouros coletivos.

“As lojas estão proibidas de realizar promoções, pois isso pode causar aglomeração. Quem estava doido para ir comprar, não vai ter [promoção]”, afirmou o secretário de Saúde da capital mineira, Jackson Pinto, que também coordena o grupo de trabalho responsável por definir a reabertura gradual do comércio.

Confira as exigências, que serão publicadas em portaria amanhã:

  • Colaboradores do grupo de risco não vão voltar a trabalhar, eles devem permanecer em casa
  • Higienização das mãos e distância das pessoas de 5 metros quadrados por pessoa. Em uma área de 30 metros, somente 6 pessoas, incluindo os vendedores e clientes
  • Disponibilizar álcool em gel
  • Não realizar promoções
  • Não haver bebedouros coletivos
  • Reduzir lotação dos elevadores
  • Ar condicionado desligado
  • Salões de beleza somente com hora marcada, intervalo de 30 minutos de um atendimento para outro para acontecer higienização
  • Sinalização no chão para respeitar o distanciamento
Leia também:  Auxílio emergencial começa a ser creditado na conta de beneficiários; Veja calendário

“Quem puder, vai abrir e cuidar da manutenção tanto da loja, quanto do cliente e funcionário. Quem ainda não vai poder [voltar a funcionar], espere um pouco. Não queremos abrir e ter que regredir pois vai ficar muito ruim pra todos. As reuniões do comitê foram muito bem conduzidas”, disse o presidente da CDL-BH (Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte), Marcelo de Souza.

“Pedimos para o grupo de risco não sair de casa e que as compras sejam assertivas”, complementou.

Liberados

Conforme o BHAZ adiantou (relembre aqui), a PBH adotou uma estratégia chamada de “flexibilização intermitente”, que funciona como uma gangorra: caso os números de contaminação da capital melhorem, a flexibilização aumenta; se piorar, fecha tudo novamente.

Leia também:  Incêndio atinge Toca da Raposa I, na Pampulha; Vídeo mostra chamas

A ideia é que toda sexta-feira seja publicado um decreto determinando quais comércios poderão ser abertos na segunda-feira seguinte. A primeira leva é composta por segmentos como shoppings populares, salões de beleza, lojas de peças e acessórios para automóveis, brinquedos e outros.

Veja a lista completa:

Em edição especial do DOM (Diário Oficial do Município) publicada na tarde de hoje, novo decreto assinado por Kalil determina que as atividades serão liberadas com horários distintos com “o objetivo de assegurar o equilíbrio e a segurança no transporte público coletivo”.

E a reabertura pode avançar ou mesmo recuar (tornar as medidas de restrição mais rigorosas) dependendo do comportamento da população. “A regressão de fase poderá ocorrer a qualquer tempo, quando houver alteração dos indicadores epidemiológicos ou risco de agravamento do quadro epidemiológico e assistencial”, diz o decreto.

Vale lembrar que os segmentos que já estavam liberados permanecem com o funcionamento permitido:

Grupo de trabalho

Um grupo de trabalho para avaliar a reabertura gradual do comércio foi criado por Kalil no fim de abril com o objetivo de “avaliar e planejar as ações a serem executadas no âmbito municipal para a reabertura gradual e segura dos setores que tiveram as atividades suspensas em decorrência das medidas para enfrentamento da epidemia causada pelo coronavírus e de propor critérios de isolamento intermitente”.

Leia também:  Belo-horizontino supera drogas após morte do filho e se inspira para alimentar mais de 200 famílias por dia

Os integrantes do grupo poderão solicitar livremente, aos órgãos e às entidades do Poder Executivo, “o fornecimento de informações, documentos, relatórios, dentre outros”, para sustentar e ajudar no desenvolvimento dos estudos. O grupo trabalhará de forma articulada com os membros do Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19, que foi criado em março.

Além de ter acesso direto ao Executivo, o grupo também poderá convidar especialistas e representantes de outros órgãos e entidades para participar das reuniões, que possam contribuir com informações a respeito do que será estudado e avaliado.

O grupo de trabalho está sendo coordenado pelo secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto. O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, o secretário municipal de Fazenda e o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão também fazem parte do grupo.

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários