Home NotíciasCoronavírusCovid-19 avança no interior de Minas e preocupa PBH: ‘Epidemia está em ascensão’, diz infectologista

Covid-19 avança no interior de Minas e preocupa PBH: ‘Epidemia está em ascensão’, diz infectologista

Situação da doença no interior de Minas tem causado preocupação

“Em Minas a epidemia está em ascensão”. A cada dia os casos confirmados do novo coronavírus aumentam no Estado e o avanço da enfermidade em cidades do interior preocupa a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte). A vinda de pacientes para tratar na capital é uma das explicações.

Durante coletiva na sede da prefeitura, nesta sexta-feira (29), o médico infectologista Carlos Starling, que integra o Comitê de Enfrentamento à Pandemia da Covid-19, apresentou dados da doença em diversas cidades mineiras. Antes, o especialista, autor da frase que abre esta reportagem, falou sobre o cenário nacional.

Leia mais: Vereadores de BH querem aplaudir Bolsonaro por ‘atuação exemplar’ na pandemia

“A curva [de contaminação] está em franca ascensão no Brasil. Não podemos falar em pico, estamos em fase de aceleração. Não chegamos no pico e nem estamos próximos [dele]. A situação tende a piorar nas próximas semanas”, disse.

Em Belo Horizonte a situação é de “alerta”, conforme afirmou Starling. “Por isso não vamos continuar o processo de flexibilização [do comércio]”.

Transmissão em Minas

Leia mais: Seleção de currículos para o hospital de campanha termina nesta terça

A região metropolitana de Belo Horizonte, assim como o interior de Minas, preocupa a PBH por conta da evolução dos casos.

“Temos notícias assustadoras no interior e não tem culpado. O sistema de saúde [no Estado] está sucateado há anos. Não tem culpado”, disse o prefeito da capital, Alexandre Kalil (PSD).

Em algumas cidades, por exemplo, uma pessoa infectada pela Covid-19 pode transmitir a doença para até outras 20.

“Na Grande BH a epidemia também está em franca ascensão, como podemos ver nas curvas. Lá em Nova Lima, um infectado transmite para outras 4 pessoas, em Contagem para 2. Em Araxá, está uma pessoa para 20, a doença vem evoluindo muito rápido no interior do Estado”, esclareceu Starling, com base nos dados da SES (Secretaria de Estado de Saúde).

O especialista reforçou que o aumento de casos nas outras cidades influenciou a prefeitura a não permitir a reabertura de outros comércios em BH.

“Recebemos forte influência do interior, por isso, segurar um pouco a flexibilização e observar esta semana a possibilidade do progresso da flexibilização com segurança [na próxima]”.

Após analisar os dados, Starling afirmou que as regiões do Estado com mais casos, fora BH, são o Sul de Minas, Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro. Estes locais estão próximos de São Paulo e Rio de Janeiro onde se concentram mais confirmações da doença no país.

Leitos

O secretário Municipal de Saúde, Jackson Machado, disse que, até esta sexta, 17,2% dos leitos de UTI e enfermaria para Covid-19 em Belo Horizonte estão ocupados por pacientes vindos de outras cidades de Minas.

Minas Gerais, segundo a SES, tem 9.232 casos confirmados e 257 óbitos confirmados em decorrência do novo coronavírus. A enfermidade já é registrada em 429 dos 853 municípios.

Reforce a proteção contra o vírus

Autoridades de saúde orientam que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários