Home NotíciasCoronavírusCovid-19: Mesmo com surto em 12 cidades, shoppings deixam de ser ‘zonas proibidas’ em Minas

Covid-19: Mesmo com surto em 12 cidades, shoppings deixam de ser ‘zonas proibidas’ em Minas

covid minas gerais

O boletim da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais), divulgado na manhã desta quinta-feira (4), mostra que o número de mortos em decorrência da Covid-19 no Estado chegou a 323, um crescimento de 17 óbitos em relação a essa quarta.

O número de “novos” infectados foi de 1.024 nas últimas 24 horas. Mesmo neste cenário de aumento de casos, o governo anunciou uma flexibilização com relação ao funcionamento de lojas em shoppings do Estado (veja abaixo). Na mesma ocasião, o secretário de Estado de saúde, Carlos Eduardo Amaral, revelou que há 14 pontos de surto da enfermidade em Minas.

Leia mais: Trecho da BR-381 será interditado nesta sexta-feira

Os mais novos números oficiais divulgados pelo Governo de Minas são:

  • 323 óbitos (aumento de 5,5% em relação ao último boletim)
  • 7.105 casos em acompanhamento (aumento de 11,5%)
  • 13.034 casos confirmados (aumento de 8,5%)
  • 5.606 casos recuperados (aumento de 5%)

Onde estão os surtos?

Leia mais: Saúde analisa impacto de isolamento social no combate à Covid-19

Em coletiva de imprensa concedida na tarde desta quinta-feira (4), Amaral informou que os 14 surtos da Covid-19 estão espalhados em sete macroregiões, que abrangem 12 cidades do Estado (veja os locais abaixo).

  • Centro-Sul: 4 surtos;
  • Centro: 3 surtos;
  • Noroeste: 3 surtos;
  • Leste: 1 surto;
  • Oeste: 1 surto;
  • Sul: um surto;
  • Vale do Aço: um surto;

O secretário informou que a SES-MG acompanha o aumento rápido de casos para, inclusive, verificar se o surto está restrito a uma empresa ou asilo, por exemplo. Eles avaliam a possibilidade de o fenômeno, inclusive, se espalhar para outros espaços.

“Para nós esses surtos são importantes porque eles mostram um pico muito rápido de casos em alguma região. Ficamos muito atentos, inclusive nós temos a unidade de resposta rápida que algumas vezes vai até o local do surto para verificar se o surto está restrito a um local ou se esse surto tem um risco maior de se espalhar”, explicou Amaral.

Shoppings deixam zona proibida

O secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, anunciou, durante a coletiva de imprensa, uma mudança no “Minas Consciente – Retomando a economia do jeito certo” (clique aqui e relembre o projeto) com relação aos shoppings.

+ Zema detalha plano para retomar economia em meio à onda de Covid-19: ‘A situação é segura’

Lojas que podem funcionar nas ruas também poderão abrir as portas dentro de shoppings. Então, por exemplo, se em alguma cidade os estabelecimentos que vendem roupas estão funcionando ao ar livre, esse tipo de seguimento também poderá ser explorado dentro dos centros comerciais.

“Os shoppings deixam de ser zonas proibidas. O município que tiver um shopping, as lojas do interior do shopping poderão funcionar na mesma dinâmica, no limite, da respectiva onda que o município está. Então, se o município está na onda verde [Onda 0], os shoppings poderão funcionar e as lojas seguindo os limites do seguimento da onda verde. O município que estiver na onda branca [Onda 1], as lojas poderão funcionar aqueles seguimentos que estão na onda verde e na onda branca”, detalhou o secretário.

A administração municipal é a responsável por incluir a cidade no programa. Atualmente, 110 municípios já fizeram a adesão.

Relembre o ‘Minas Consciente’

Os primeiros negócios a reabrir, após os serviços essenciais, foram categorizados como ‘Onda 1’ e abrangem setores como lojas de roupas e concessionarias.

A ‘Onda 2’ vai permitir o retorno de hotéis, lojas de departamentos, entre outros. Já a ‘Onda 3’ abrange serviços com mais risco de aglomerações, como salões de beleza e lojas de variedades.

Como se proteger da Covid-19?

A SES-MG (Secretaria de Estado de saúde) orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
Aline Diniz

Aline Diniz

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.

Comentários