Home NotíciasBHCoronavírus não interrompe prostituição no Centro de BH

Coronavírus não interrompe prostituição no Centro de BH

Mais de 100 dias de isolamento social e todos estão seguindo a quarentena. Todos? Não! No entra e sai dos famosos hotéis “sobe e desce”, no Hipercentro de Belo Horizonte, o movimento é constante. E a prostituição não para, mesmo com o crescente número de contaminados pelo novo coronavírus na capital mineira.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver um segurança na porta de um dos prostíbulos, verificando a temperatura dos homens na entrada. A maioria, usa máscaras. Nas imagens, a pessoa que faz o flagrante narra: “O p**eiro abriu…E o p**eiro [está] funcionando normalmente. Exigindo a máscara, temperatura de febre para não contaminar as meninas, mas o famoso “Brilhante” [está] fechado”.

Leia mais: Números em alta, mas estáveis: Minas não atinge pico de Covid-19 e passa por platô; veja a diferença

Uma pessoa, que prefere não ser identifica, conta que os hotéis ficam ainda mais cheios no período noturno. “O movimento aumenta à noite, apesar dos caras entrarem de máscara e ter álcool gel na porta, tem aglomeração lá dentro”, denuncia.

O que diz a medicina?

Leia mais: Morre em BH nona vítima de intoxicação após consumir cerveja da Backer

Ao BHAZ, o infectologista Leandro Curi, ressaltou que o uso das proteções devem ser priorizadas, não somente no contexto da Covid-19, mas também das ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

“É difícil, pela própria natureza do serviço, vai haver aglomeração, ou pelo menos contato físico entre duas pessoas. E por mais difícil que seja ou irônico, o uso de proteções variadas devem ser priorizadas”, alertou

O médico reforçou os cuidados com a higienização dos locais e o uso do preservativo. “Mesmo sabendo que é precário em alguns locais, tem que ter higienização dos lençóis, das mãos, janelas abertas. E não se pode esquecer que há as outras infecções, que são as sexualmente transmissíveis. E não é só Covid-19 não, tem sífilis e outras doenças, que demandam atenção sempre. Não é uma coisa pela outra. Preservativo tem que usar. Idealmente seria não acontecer, porque é um contato muito íntimo entre as pessoas, mas, se acontece, tem que observar alguns protocolos de segurança” enfatizou o especialista.

E a fiscalização?

A PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) esclareceu que os prostíbulos não são atividades passíveis de licenciamento. No entanto, albergues, pensões e hotéis, por exemplo, estão autorizados a funcionar desde que adotem as medidas de segurança com relação à prevenção da Covid-19.

A Guarda Civil Municipal de Belo Horizonte garante que realiza operações periódicas. Em maio, a corporação visitou os estabelecimentos para averiguar a existência de aglomerações (veja aqui).

“Seja por denúncias ou quando fazemos o patrulhamento, a gente faz intervenções. No primeiro momento, a gente orienta o estabelecimento a fechar ou se adequar às normas do decreto. Caso haja reincidência, acionamos a fiscalização para fazer o fechamento”, explicou o subinspetor da corporação, Daniel Mesquita.

O Decreto Municipal citado pelo subinspetor deixa a cargo da Guarda a fiscalização dos comércios e serviços.

Interditado

Uma ação conjunta entre a Guarda Municipal e a Subsecretaria de Fiscalização da Secretaria Municipal de Política Urbana flagrou o funcionamento ilegal de um hotel no Centro da capital, no dia 16 de maio (relembre aqui).

Segundo o órgão, a interdição se deu devido aos seguintes fatores: atividade não licenciável; descumprimento do decreto municipal que não permite aglomeração de pessoas; e risco às mulheres e frequentadores do hotel. O estabelecimento era um local fechado.

Denúncias

A população pode denunciar o funcionamento indevido de estabelecimentos, aglomerações e festas utilizando o aplicativo PBH App ou o Portal de Serviços da Prefeitura.

No aplicativo, os nomes dos serviços são:

  • Coronavírus – Denúncia de descumprimento de medidas de prevenção por estabelecimentos autorizados a funcionar.
  • Denúncias de aglomeração em salões de festas comercial.
Marcela Gonzaga

Marcela Gonzaga

Editora do BHAZ desde fevereiro de 2020. Jornalista graduada pela Newton Paiva. Trabalhou como produtora de TV e chefe de produção durante 14 anos, com passagens pela RecordTV, Rede Minas, RedeTV!, TV TRT-MG e TV TJMG.

Comentários