Home NotíciasBHLeitos de UTI para Covid-19 atingem 91% de ocupação em BH

Leitos de UTI para Covid-19 atingem 91% de ocupação em BH

coronavírus leitos uti

Os leitos de UTI disponíveis para a Covid-19, em Belo Horizonte, atingiram, pela primeira vez, 91% de ocupação, nesse domingo (5). Mesmo com a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) tendo inaugurado 10 novos leitos nesse sábado (4), a taxa de ocupação segue aumentando, chegando cada vez mais perto do colapso. O hospital de campanha segue sem previsão de abertura, mesmo com o esgotamento de leitos em algumas regiões do Estado.

De acordo com a SMSA (Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte), 91% dos 345 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) disponíveis para pacientes com a Covid-19 estão ocupados. Na última sexta-feira (3), 87% dos 335 leitos da rede municipal estavam com pacientes. O novo índice de ocupação é o maior já registrado desde o início da pandemia em BH.

Leia mais: Universitário mata avó após ser questionado por ter trancado faculdade

O último boletim epidemiológico, disponibilizado nesta segunda-feira (6), mostra 8.273 casos confirmados do novo coronavírus, e 177 mortes na capital mineira. Dessas, 91 óbitos são de homens e 86 são de mulheres.

Sobre a situação total dos leitos, a SMSA informou que das 1.020 UTIs disponíveis, 85% estão ocupadas. Das UTIs não-Covid-19, 83% estão sendo utilizadas por pacientes com outras doenças.

Leia mais: Minas ultrapassa 3,5 mil mortes pela Covid-19

Nas enfermarias, são 4.537 leitos disponíveis, dos quais 68% estão ocupados. Dos 916 leitos disponíveis para pacientes com o novo coronavírus, 72% estão ocupados. Dos 3.621 disponíveis para outras doenças, a taxa de ocupação chegou a 67%.

Regiões mais atingidas

A região Nordeste é a mais afetada da capital, com 27 mortes pela Covid-19, enquanto Venda Nova tem 25. A região com menos óbitos é a Norte, com 14 mortes pela doença. Veja o gráfico:

E o hospital de Campanha?

Apesar da movimentação para contratação de profissionais, o hospital de campanha segue sem previsão de abertura, mesmo com o esgotamento de leitos em regiões do Estado (leia mais aqui).

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, disse na última quarta-feira (1º), ao BHAZ, que o hospital não deverá ser totalmente utilizado e nem ativado antes de 16 de julho, data em que a Seplag (Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão) deve concluir a contratação de uma OS (Organização Social) para administrar o local.

“Acho que esse hospital de campanha, na plenitude, é muito difícil de ser usado, a não ser que efetivamente a epidemia se descontrole muito, e é tudo que nós não queremos”, disse o secretário de Saúde em entrevista exclusiva.

Capacidade para operar

O secretário de Saúde adiantou ainda que o hospital já tem capacidade de operar, mas só será ativado quando uma OS (Organização Social) for contratada para gerir a estrutura e contratar equipes médicas. “Sabemos que tem condição de abrir, mas isso vai envolver remanejamento de pessoal. O ideal no sentido de fazer [a abertura] vai ser quando realmente o processo da OS estiver pronto”, conclui.

Reforce a proteção contra o vírus

A SES-MG orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
Vitor Fernandes

Vitor Fernandes

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva da UOL.

Comentários