Leitos de UTI para Covid-19 atingem 91% de ocupação em BH

coronavírus leitos uti
Leitos disponíveis para a Covid-19 atingem 91% de ocupação (Amanda Dias/BHAZ)

Os leitos de UTI disponíveis para a Covid-19, em Belo Horizonte, atingiram, pela primeira vez, 91% de ocupação, nesse domingo (5). Mesmo com a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) tendo inaugurado 10 novos leitos nesse sábado (4), a taxa de ocupação segue aumentando, chegando cada vez mais perto do colapso. O hospital de campanha segue sem previsão de abertura, mesmo com o esgotamento de leitos em algumas regiões do Estado.

De acordo com a SMSA (Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte), 91% dos 345 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) disponíveis para pacientes com a Covid-19 estão ocupados. Na última sexta-feira (3), 87% dos 335 leitos da rede municipal estavam com pacientes. O novo índice de ocupação é o maior já registrado desde o início da pandemia em BH.

O último boletim epidemiológico, disponibilizado nesta segunda-feira (6), mostra 8.273 casos confirmados do novo coronavírus, e 177 mortes na capital mineira. Dessas, 91 óbitos são de homens e 86 são de mulheres.

Sobre a situação total dos leitos, a SMSA informou que das 1.020 UTIs disponíveis, 85% estão ocupadas. Das UTIs não-Covid-19, 83% estão sendo utilizadas por pacientes com outras doenças.

Nas enfermarias, são 4.537 leitos disponíveis, dos quais 68% estão ocupados. Dos 916 leitos disponíveis para pacientes com o novo coronavírus, 72% estão ocupados. Dos 3.621 disponíveis para outras doenças, a taxa de ocupação chegou a 67%.

Regiões mais atingidas

A região Nordeste é a mais afetada da capital, com 27 mortes pela Covid-19, enquanto Venda Nova tem 25. A região com menos óbitos é a Norte, com 14 mortes pela doença. Veja o gráfico:

E o hospital de Campanha?

Apesar da movimentação para contratação de profissionais, o hospital de campanha segue sem previsão de abertura, mesmo com o esgotamento de leitos em regiões do Estado (leia mais aqui).

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, disse na última quarta-feira (1º), ao BHAZ, que o hospital não deverá ser totalmente utilizado e nem ativado antes de 16 de julho, data em que a Seplag (Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão) deve concluir a contratação de uma OS (Organização Social) para administrar o local.

“Acho que esse hospital de campanha, na plenitude, é muito difícil de ser usado, a não ser que efetivamente a epidemia se descontrole muito, e é tudo que nós não queremos”, disse o secretário de Saúde em entrevista exclusiva.

Capacidade para operar

O secretário de Saúde adiantou ainda que o hospital já tem capacidade de operar, mas só será ativado quando uma OS (Organização Social) for contratada para gerir a estrutura e contratar equipes médicas. “Sabemos que tem condição de abrir, mas isso vai envolver remanejamento de pessoal. O ideal no sentido de fazer [a abertura] vai ser quando realmente o processo da OS estiver pronto”, conclui.

Reforce a proteção contra o vírus

A SES-MG orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Vitor Fernandes
Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva do Portal UOL. Com reportagens vencedoras nos prêmios CDL (2018 e 2019) e Sindibel (2019).