Home NotíciasBHPolicial ameaça atirar em funcionários de hospital para ver corpo de irmão

Policial ameaça atirar em funcionários de hospital para ver corpo de irmão

policial civil hospital da baleia

Uma investigadora da Polícia Civil foi detida, no início da madrugada dessa terça-feira (8), após ameaçar funcionários do Hospital da Baleia, na região Leste de Belo Horizonte. De acordo com a corporação, a policial desejava ver o corpo do irmão, que faleceu no centro de saúde em decorrência da Covid-19. O homem estava internado na unidade e morreu ontem, por volta das 23h. A corporação informou que a policial vai receber acompanhamento psicológico, já que ela estava transtornada com a notícia do óbito.

De acordo com o registro da ocorrência, a investigadora chegou ao hospital por volta das 00h30, e disse ao segurança da unidade que queria ver o corpo do irmão. Os funcionários da portaria informaram que não poderiam permitir o acesso e, neste momento, ela sacou a arma. A investigadora, então, apontou o revólver em direção aos funcionários da portaria. Ela também apontou a arma para si mesma e afirmou que atiraria caso sua entrada não fosse permitida.

Leia mais: Bar convida atleticanos para assistirem jogo ‘em off’ na Pampulha

Por que o hospital negou o acesso?

Já dentro da unidade de saúde, a policial abordou uma enfermeira. A profissional de saúde explicou que a investigadora não poderia ter acesso ao corpo por causa dos protocolos de segurança da OMS (Organização Mundial de Saúde), que alertam para o risco de contaminação do novo coronavírus.

Negociação

Leia mais: Zema diz que nunca escondeu dados da Covid-19 em Minas

A policial, então, voltou a apontar a arma para si mesma e também para a enfermeira, exigindo que tivesse acesso ao corpo do irmão. Neste momento, policiais militares chegaram ao local e iniciaram uma conversa com a investigadora. Foi preciso o reforço da Polícia Civil e do Bope (Batalhão de Operações Especiais) na negociação.

Após uma longa conversa, a investigadora cedeu e entregou a arma aos policiais. Em nota (confira na íntegra abaixo), a Polícia Civil informou que a investigadora assinou um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) pelo crime de constrangimento ilegal e deverá comparecer a uma audiência junto ao Poder Judiciário. A corporação informou a investigadora será encaminhada para avaliação psiquiátrica.

Nota da Polícia Civil

“A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que a investigadora foi conduzida à Delegacia de Plantão 1, assinou um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) pelo crime de constrangimento ilegal e deverá comparecer a uma audiência junto ao Poder Judiciário. Ela queria ver o corpo do irmão que faleceu vítima da Covid-19.

A PCMG ressalta que não compactua com esse tipo de ação e irá instaurar uma sindicância administrativa para apuração de eventuais infrações disciplinares. Informa, ainda, que a investigadora será encaminhada para avaliação psiquiátrica”.

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários