Home NotíciasMinas GeraisMorre advogado que fugiu de hospital com Covid-19 em Minas

Morre advogado que fugiu de hospital com Covid-19 em Minas

Advogado João Donizetti e hospital Vera Cruz

O advogado João Donizetti de Lacerda, de 63 anos, faleceu por Covid-19, na madrugada desta quinta-feira (9). Um dia antes, o homem mobilizou a Polícia Militar na madrugada após fugir do hospital onde estava internado, no município de Patos de Minas, na região do Alto Paranaíba. Ele foi localizado pelos policiais e alegou que não estava satisfeito com o atendimento.

Após uma conversa com o irmão, o advogado foi convencido a voltar para o pronto-socorro. Ainda na quarta-feira (8), João Donizetti recebeu alta do hospital. No entanto, voltou a se sentir mal na noite do mesmo dia e foi novamente hospitalizado. Na madrugada de hoje, com sintomas de insuficiência respiratória, o homem faleceu. A informação foi confirmada pela 45ª Subseção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Patos de Minas. O velório será restrito em razão da pandemia.

Leia mais: Brasil tem 514 mortes por Covid e 24.746 novos infectados em 24 horas

Fuga

Os policiais militares foram acionados no meio da madrugada, por volta das 2h30 da quarta-feira, por funcionários do hospital Vera Cruz, preocupados com a fuga do paciente com Covid-19. Patos de Minas já registrou sete mortes e 659 casos confirmados da doença, conforme boletim do dia do Governo de Minas (veja aqui).

Buscas, então, foram realizadas pela cidade logo após os militares serem informados sobre as características do advogado. Após a mobilização, o paciente foi encontrado às margens da Lagoa da Rodoviária e levado, pelo irmão, de volta ao hospital.

Leia mais: Homem mata amigo e diz que o confundiu com javali no interior de MG

O art. 132 do Código Penal prevê que é crime “expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente”. “O delito é de perigo concreto e doloso (dolo genérico ou eventual), consumando com a conduta relacionada à exposição da vida ou saúde de terceiros”, explica o advogado Leandro Bastos Nunes, no site DireitoNet.

“É o caso do agente que, sabendo do seu contágio, resolve descumprir a determinação médica e legal de isolamento, e se desloque para um local público onde exista aglomeração de pessoas, expondo-as à perigo direto e iminente de contágio ou assumindo o risco de produzir o resultado”, complementa o defensor.

Guilherme Gurgel

Guilherme Gurgel

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco nas editorias de Cidades e Variedades no BHAZ.

Comentários