Home NotíciasBrasilPolícia apura se jovem picado por Naja usava cobras em pesquisas

Polícia apura se jovem picado por Naja usava cobras em pesquisas

Por Vitor Fuzeira

A PCDF (Polícia Civil do Distrito Federal) investiga se o estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul integra organização criminosa formada por estudantes da área interessados na comercialização de animais exóticos para realização de pesquisas clandestinas. Lehmkul está internado em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Maria Auxiliadora, no Gama, após ter sido picado por uma Naja kaouthia.

Leia mais: Kalil decreta luto em BH após país registrar 100 mil mortos

De acordo com investigadores da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), responsável pelas apurações, um amigo do jovem teria ajudado a “sumir” com a cobra da residência onde Pedro mora. A PCDF recebeu informações de que a dupla faria parte de um grupo de estudantes de veterinária interessados em colecionar os animais exóticos. “Eles supostamente teriam esses animais porque têm interesse para fins de pesquisa. Tudo sem autorização”, acrescentou Farias.

Mais cobras encontradas

Leia mais: Brasil supera 100 mil mortes pela Covid-19 sem sinal de quando pandemia acabará

Nessa quinta-feira (9), mais 16 cobras sem documentação foram encontradas pelo Batalhão da Polícia Militar Ambiental mantidas em cativeiro em Planaltina. Escondidas dentro de uma baia de cavalo, em um terreno do Núcleo Rural Taquara, elas foram levadas à 14ª DP, no Gama. Tudo indica que há relação desse local com a Naja que picou o estudante Pedro Henrique. “Muito provavelmente relacionada com aquela serpente apreendida ontem. Com muito trabalho das nossas equipes, logramos êxito em encontrar essa localidade”, disse o comandante do BPMA, major Elias Costa.

Leia outras matérias no Metrópoles, parceiro do BHAZ.

Comentários