Home NotíciasBHDistribuição de cestas básicas em BH pode ser ampliada até dezembro, diz Kalil

Distribuição de cestas básicas em BH pode ser ampliada até dezembro, diz Kalil

cesta basica

A distribuição de cestas básicas para a população de Belo Horizonte poderá ser ampliada até o fim do ano. A declaração foi dada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) durante uma live, nesta segunda-feira (13). A entrega dos alimentos acontece devido à pandemia do novo coronavírus.

“Podem ficar tranquilos que vocês serão protegidos. Se precisarmos dar cesta básica até dezembro, nós daremos, kit higiene, alimentação… Nós nos preparamos para isso. Uma prefeitura sem escândalo, prefeitura sem nada, eles não têm nada para falar da gente”, disse.

Leia mais: Minas ultrapassa 3,5 mil mortes pela Covid-19

Ao admitir a possibilidade da extensão das entregas das cestas básicas, Kalil justificou alegando que o dever dele como prefeito é cuidar da população da capital mineira, cidade com o maior número de casos confirmados e de mortes por Covid-19.

“Fui eleito para proteger a população de Belo Horizonte, para cuidar da população de Belo Horizonte. Independente de eleição, de voto, de qualquer coisa, não vou descuidar dessa população até 31 de dezembro deste ano… Obrigação constitucional de um homem responsável que sentou aqui para cuidar da população”, ressaltou.

Leia mais: Chuvas de meteoros poderão ser vistas no Brasil este mês

Na capital mineira, as cestas básicas são entregues para famílias de estudantes da rede municipal de ensino, em situação de vulnerabilidade social, transportadores escolares, carroceiros e permissionários do serviço de transporte suplementar (veja aqui).

“Dois milhões de refeições servidas: obrigação. Um milhão de cestas básicas: obrigação. Temos 150 mil kits higiene: obrigação. Não fui eleito para agradar ninguém, fui eleito para cuidar da população”, indicou Kalil.

Leitos

Kalil também anunciou a extensão dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratar a Covid-19. Belo Horizonte tem 89% de ocupação destes leitos até essa segunda.

“Primeiro número era de 80 e hoje são 390 exclusivos para Covid-19 feitos com planejamento, com médico, com hospitais que estão equipados, que têm gente. Volto a dizer: quem salva gente é gente. Quem salva ser humano é ser humano”, afirmou.

Números

Segundo o boletim da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) divulgado hoje, a capital mineira chegou a 10.348 casos confirmados de Covid-19 e a 270 óbitos causados pela doença.

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários