Home NotíciasBHKalil sinaliza reabertura e pede perdão a comerciantes e desempregados

Kalil sinaliza reabertura e pede perdão a comerciantes e desempregados

shopping uai bh comercio fechado

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), sinalizou, nesta segunda-feira (13), que deve autorizar a reabertura do comércio na cidade, já que os protocolos estão em fase final de preparação. O chefe do Executivo municipal ainda pediu perdão aos comerciantes e às pessoas que estão desempregadas.

“Ordenei uma reunião com os comerciantes na quarta-feira (15). Os protocolos estão ficando prontos. Isso [fechamento da cidade] não é infinito”, disse Kalil, em uma live transmitida nas redes sociais no início desta noite. Desde o dia 29 de junho, apenas os segmentos considerados essenciais têm a abertura permitido – bares, restaurantes e afins podem funcionar, desde que apenas com os regimes de delivery e retirada.

Leia mais: PBH começa a usar drones para monitorar e combater dengue neste mês

Comércio em BH:

  • 20/3 a 24/5 (66 dias): comércio fechado
  • 25/5 a 7/6 (14 dias): primeira onda de flexibilização
  • 8/6 a 28/6 (21 dias): segunda onda de flexibilização
  • desde 29/6: comércio fechado

Apesar de anunciar a reunião com os comerciantes, o prefeito não detalhou sobre os protocolos “que estão ficando prontos” nem mesmo quando começaria a reabertura. Até o início desta atual fase, a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) anunciava, toda sexta-feira, como seriam as regras do comércio na semana seguinte.

Leia mais: Goiás tem dez casos de Covid-19 no elenco antes de enfrentar o São Paulo

Desde o atual regime, que já entra na sua terceira semana, no entanto, a administração municipal suspendeu os anúncios às sextas-feiras. Segundo o Governo de Minas, o pico de contaminação de Covid-19 está previsto para a próxima quarta-feira (15). Cidade mais populosa do Estado, BH é também onde concentra o maior número de casos confirmados: 10.348.

‘Não adianta pressão’

Kalil comparou o número de mortes de Belo Horizonte com o das capitais da região Sudeste para enaltecer o trabalho realizado até o momento. “São Paulo teve mais de 8 mil mortos, o Rio de Janeiro mais de 7 mil. Vitória, que é quase do tamanho do Barreiro, 296. Em BH alcançamos o triste número de 270 mortes e isso tem um motivo”.

“Nós copiamos o que o mundo inteiro está fazendo. Copiamos o que deu certo. Quem abriu antes da hora, é só ver [os resultados na] TV. Mataram gente por pressão”, completou.

O prefeito de BH pediu perdão às pessoas que tiveram que fechar seus comércios e àquelas que perderam o emprego por conta das medidas tomadas pela PBH. “Vocês me perdoem, comerciantes e desempregados, mas nós vamos arrumar tudo de novo”.

Mais adiante, Kalil voltou a se dirigir aos comerciantes. “Volto, humildemente, a pedir desculpas. Não adianta pressão. Nossos número estão melhorando e vão melhorar. Quarta-feira os empresários serão chamados”, disse, sinalizando para uma possível reabertura.

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários