Home NotíciasCoronavírusTreino de árbitros da FMF para volta do Mineiro é suspenso em Contagem

Treino de árbitros da FMF para volta do Mineiro é suspenso em Contagem

Árbitros da FMF participando de treino físico em campo, em Contagem

A adesão do município de Contagem ao programa Minas Consciente, que estipula regras para o combate ao novo coronavírus em todo o Estado, provocou a suspensão do treinamento de 30 árbitros da FMF (Federação Mineira de Futebol) que ocorria em um campo da cidade da região Metropolitana de BH.

Os árbitros passavam por treinamentos físicos para o retorno do Campeonato Mineiro, previsto para ocorrer no dia 26 de julho, no campo do Santa Luzia, no bairro São Joaquim, em Contagem. Nessa quinta-feira (16), o proprietário do campo foi notificado de que os treinamentos não poderiam mais ocorrer devido aos protocolos do programa Minas Consciente.

Leia mais: Abrasel promete entrar na Justiça para reabrir bares e restaurantes em BH

A FMF afirma que a suspensão do treino não afetará o retorno e que um novo local para o treinamento já está sendo procurado. A federação fala também em um possível acordo com a prefeitura de Contagem para que os treinos sejam retomados seguindo protocolos de segurança.

Ainda de acordo com o órgão, os árbitros agora passarão por um treinamento sobre regras e exercícios online até a próxima quinta-feira (23). Até lá, a federação pretende resolver o imbróglio. No entanto, o retorno do campeonato não está alterado e permanece previsto para o dia 26.

Volta do Mineiro

Leia mais: Covid-19: OMS afirma que talvez nunca exista cura ou vacina

O Governo de Minas sinalizou positivo para a volta do Campeonato Mineiro ainda no mês de julho (veja aqui). De acordo com o secretário da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais), Carlos Eduardo Amaral, a pasta preparou um protocolo de recomendações que deverão ser seguidas para as atividades esportivas.

Com isso, a competição pode ser retomada no próximo dia 26 de julho. No mês passado, a SES-MG chegou a recusar o protocolo enviado pela FMF (Federação Mineira de Futebol), que estabelecia critérios para o retorno das atividades (relembre aqui).

O secretário explicou a mudança na decisão. “O que a SES-MG faz não é validar protocolos. Nós somos uma equipe que elabora protocolos e sinaliza para a sociedade o caminho que devem seguir. Nesse contexto, o que estamos direcionando é um protocolo para atividades esportivas, que tenham competição e que possam manter os atletas isolados. As atividades esportivas, seguindo esse protocolo, terão uma controle maior”, ressaltou.

Depende do município

O novo protocolo viabiliza o retorno da competição. Contudo, o secretário ressaltou que a liberação dependerá dos municípios. A competição também deverá estar obrigatoriamente alinhada ao protocolo da saúde da secretaria.

“O município que for receber competição terá naturalmente que autorizar, e o Estado não pretende diretamente intervir nisso. O que fizemos foi dar uma sinalização dos protocolos sanitários para atividades esportivas”, ressaltou Carlos Eduardo Amaral.

Kalil descarta futebol em BH

A volta do futebol em palcos históricos de Belo Horizonte, como o Mineirão e o Independência, está descartada enquanto durar alguma restrição do comércio na cidade. A determinação foi revelada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), durante entrevista exclusiva ao BHAZ. O chefe do Executivo ainda criticou a projeção do retorno do Campeonato Brasileiro em agosto.

“O futebol, a federação manda. Se ela estabelecer que começa amanhã, começa amanhã. Eles vão jogar em Governador Valadares, em Sete Lagoas… porque em Belo Horizonte não joga”, afirmou o mandatário. “Quem define o futebol é a federação mineira, mas quem define se vai ficar em Belo Horizonte é o prefeito de Belo Horizonte. Em Belo Horizonte, não tem futebol”, complementou, ao ser questionado sobre a volta do Campeonato Mineiro (veja mais aqui).

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários