Home Alto-FalanteLivraria negra de BH pede ajuda para não fechar as portas

Livraria negra de BH pede ajuda para não fechar as portas

feira livros livraria bantu

Atualizado às 14h45 do dia 26/07/2020 para retirada da informação inicial errônea de que a livraria seria a primeira, ou seja, a pioneira focada em literatura negra em Belo Horizonte, tendo em vista a existência de outros empreendimentos ainda mais antigos na cidade.

A pandemia do novo coronavírus impôs a toda a sociedade uma nova dinâmica onde pequenos negócios acabam precisando lutar ainda mais para sobreviver. É o caso da Livraria Bantu, uma iniciativa que usa a arte e a literatura para promover uma BH menos racista e que, agora, além do racismo, também luta contra o tempo. Enfrentando dificuldades neste período difícil, o estabelecimento abriu uma vaquinha online e conta com os belo-horizontinos para conseguir manter as portas abertas.

Leia mais: Em Contagem, comércio não essencial poderá abrir a partir de amanhã

Com uma média de 300 títulos, a Livraria Bantu é um empreendimento inteiramente voltado para a valorização da cultura negra. Etiene Martins, a fundadora do projeto, contou ao BHAZ que a ideia surgiu em 2013, a partir de uma lacuna no mercado tradicional. “A maioria das livrarias que a gente conhece não são intituladas ‘raciais’, mas a maior parte das obras que a gente encontra são de escritores brancos falando de coisas que não contemplam a população negra”, observa.

Foi justamente para suprir esta falta de representatividade que a Bantu foi fundada como projeto itinerante em 2013 e a loja física, no Centro da capital, inaugurada em 2016. Apesar de já acumular alguns anos de história, a livraria não ficou imune aos desafios que se impõem à maioria dos pequenos negócios durante a pandemia: “Ainda estamos fazendo algumas vendas, mas é uma quantidade que não supre as nossas despesas”.

Iniciativa em risco

Leia mais: Sortudo! Apostador de BH ganha sozinho R$ 1,2 milhão na Lotofácil

Essas poucas vendas que a Bantu conseguiu manter estão sendo feitas por meio de entregas, mas são mínimas se comparadas ao movimento normal da loja. “Até tentamos abrir um pouquinho naquele período que o Kalil propôs, mas como é uma livraria pequena, não dá pra ficar com cliente dentro, isso é colocar a gente e ele em risco”, explica Etiene, que precisou dispensar o funcionário que a ajudava na livraria e agora está sozinha.

A pandemia também afetou outro ponto crucial para a sobrevivência da livraria: a realização de eventos. Isso porque, como explica a fundadora, a Bantu começou e ficou conhecida em feiras e eventos da capital, que agora foram cancelados: “A gente trabalhava muito em feiras e eventos, temos parcerias muito bacanas, porém foi tudo cancelado. E é aquela coisa: quem não é visto não é lembrado. Somos um negócio pequeno, não dá para ficar concorrendo com Amazon e outras livrarias grandes, fica inviável”.

A ideia da vaquinha online foi uma forma de tentar contornar todas essas adversidades. “A gente fica pensando em soluções, imaginando uma forma para alcançar o nosso público, aí uma amiga me deu a ideia, até porque, se a gente não pede ajuda, as pessoas não sabem que a gente precisa de ajuda”, pontua Etiene. O valor arrecadado vai ajudar a pagar contas atrasadas, aluguel e IPTU da loja, além de garantir a manutenção do espaço pelo próximo mês.

Como ajudar?

Quem quiser colaborar com a Livraria Bantu pode doar para a vaquinha (acesse aqui) ou comprar livros pelo Instagram (@livrariabantu) ou pelo Whatsapp (31) 98790-1388.

Giovanna Fávero

Giovanna Fávero

Estudante de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Escreve com foco na área de Guia e Cultura no BHAZ.

Comentários