Dia do Motorista é momento para repensar o trânsito no Brasil

motorista bh
Amanda Dias/BHAZ

O Dia do Motorista, celebrado neste sábado, 25 de julho, não terá comemorações, eventos, blitz educativa, cursos, exposição – nada. Culpa da pandemia da Covid-19. Mas não quer dizer que a gente se esqueça dessas pessoas (que quase sempre adoram automóvel) e que movem o País. Afinal estamos em um Brasil rodoviário.

Osias Baptista, especialista em trânsito
Para Osias Baptista, um ato individual é prejudicial para todos (Foto: Arquivo Pessoal)

Em algumas cidades, como Belo Horizonte, o motorista pode sim comemorar, mas precisa repensar as suas atitudes sob o comando da máquina.

“O motorista da capital mineira precisa agir como em cidades do interior, onde as pessoas se conhecem e se respeitam”, ensina o engenheiro especializado em transporte e trânsito, Osias Baptista.

Leia também: Aprendizado Virtual

Segundo ele, é importante ficar atento, pois um ato individual normalmente gera um congestionamento no trânsito prejudicial para todo mundo. “Muita gente acha que cometer pequenas infrações não atrapalham ninguém, o que é um erro”, analisa.

Quando ele cita “pequenas infrações”, Baptista se refere à uma furadinha no sinal, estacionar em local proibido mesmo que por pouco tempo e até mesmo não respeitar o pedestre na faixa, porque está com pressa. “São atitudes que podem causar uma turbulência. Em meio a tudo isso ainda a gente vê motociclistas que comentem barbaridades no trânsito”, explica o especialista.

Quarto no ranking

As estatísticas negativas devem fazer o motorista, em seu dia – criado através de um decreto governamental em 1968 – pensar mil vezes antes de sua bobagens ao volante.

O Brasil é o quarto colocado no ranking de mortes no trânsito. Nos três primeiros meses de 2020, o número total de indenizações por morte, invalidez e despesas médicas pagas pelo DPVAT (Seguro Obrigatório) cresceu 19% na comparação com o mesmo período de 2019.

Leia também: Mobilidade do futuro

O levantamento feito pela Seguradora Líder mostra que, entre janeiro e março de 2020, foram pagas 89.028 indenizações, sendo 59.726 por invalidez e 9.298 por morte de motoristas. Até junho este número chega a 93.309 em todo o País.

Veja os dados em todos os estados (janeiro a junho de 2020):

  • SP – 12.357
  • MG – 11.221
  • SC – 6.369
  • BA – 5.983
  • CE – 5.805
  • PR – 5.463
  • GO – 5.303
  • PE – 4.995
  • RS – 4.367
  • PA – 3.737
  • RJ – 3.102
  • PI – 3.085
  • MA – 3.048
  • RO – 2.717
  • PB – 2.529
  • ES – 2.107
  • RN – 1.891
  • MT – 1.811
  • MS – 1.291
  • TO – 1.179
  • AM – 1.160
  • SE – 1.122
  • AL – 1.055
  • DF – 714
  • AC – 359
  • RR – 345
  • AP – 194
Motorista profissionais devem ser cuidar mais, diz estudo
Motorista profissionais devem ter maior preocupação com a saúde (Foto: Abramet/Divulgação)

Profissionais

No caso dos motoristas profissionais, deve haver mais preocupação ainda. Para especialistas em medicina de tráfego, garantir a permanência de mecanismos de monitoramento da saúde do motorista profissional é hoje um dos maiores desafios para reduzir as mortes no trânsito brasileiro.

Leia também: O exemplo da Califórnia

Alguns Estudos médicos publicados pela Revista da Saúde Pública, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, mostram que, no Brasil, a maioria dos motoristas profissionais permanece acordada por mais de 18 horas por dia, reduzindo seu estado de alerta e, portanto, aumentando as chances de acidente.

O relatório afirma que para restringir e reduzir acidentes, mortes e lesões no trânsito, é fundamental uma legislação adequada, que vise à segurança do trabalhador e dos usuários das rodovias.

“A legislação deve, também, beneficiar o aspecto comercial, que se fortalece pela redução das perdas de produção e logística. Adicionalmente, são necessários programas de educação no trânsito e melhor fiscalização em relação ao tempo total de jornada de trabalho”, observa o coordenador da Mobilização dos Médicos e Psicólogos Especialistas em Trânsito e diretor da Associação Mineira de Medicina de Tráfego (AMMETRA), Alysson Coimbra de Souza Carvalho.

Sono ao volante

Segundo ele, é consenso na comunidade médica e científica que a ingestão de álcool ao dirigir, o consumo de medicamentos e drogas ilícitas, sonolência e privação de sono estão associados à alta incidência de acidentes.

Ainda de acordo com o relatório, um estudo realizado com 19 países europeus constatou que aproximadamente 17% dos acidentes foram causados por sono ao volante.

Leia também: Dia do Automóvel

No Brasil, as condições de trabalho estressantes fazem com que 32% dos caminhoneiros descansem ou durmam menos que quatro horas por dia.

“É indispensável um olhar mais atento para a saúde destes profissionais. Hoje sabemos que acidentes envolvendo veículos pesados têm uma alta letalidade e provocam uma média de seis mortes. Cuidar da saúde e melhorar as condições de trabalho dos caminhoneiros se traduz em maior segurança no trânsito para todos”, aponta Carvalho.

Texto: Luís Otávio Pires

Acesse: www.aceleraai.com.br

Acelera Ai
Acelera Airedacao@aceleraai.com.br

Jornalistas Eduardo Aquino e Luís Otávio Pires são os editores do site Acelera Aí e da seção veículos do portal Bhaz