Home NotíciasBHBrumadinho: Animais resgatados no desastre da Vale precisam de novo lar

Brumadinho: Animais resgatados no desastre da Vale precisam de novo lar

Cachorro resgatados do desastre da Barragem em Brumadinho

Serena, Leôncio, Olívia e muitos outros. Esses são alguns dos animais resgatados após o rompimento da barragem da Vale, em janeiro de 2019, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, e que ainda esperam por um novo lar. Com a pandemia do novo coronavírus, os eventos de doação foram suspensos e a nova forma de divulgar encontrada foi a criação de um catálogo virtual com a foto do animal, sexo, porte e uma descrição sobre o temperamento do animal (veja aqui).

Após um ano e meio do acidente, 100 cachorros e 20 gatos estão disponíveis para adoção, de acordo com a Vale. Todos os animais foram castrados, vacinados e vermifugados e vivem atualmente, na Fazenda Abrigo de Fauna, a 7 km do centro de Brumadinho.

Leia mais: Incêndio destrói carros em garagem e condomínio é evacuado em BH

Como adotar

Os interessados em oferecer um novo lar para os animais passam por uma entrevista por telefone e podem receber um vídeo do escolhido. A Vale arca com o transporte do animal até a família, caso o adotante more em Belo Horizonte ou região metropolitana. Para mais informações, acesse aqui.

Rompimento

Leia mais: Tradicional Bolão, no Santa Tereza, teme fechamento após 59 anos

A barragem B1, da mina Córrego do Feijão, rompeu em janeiro de 2019. O Corpo de Bombeiros já localizou 261 das 272 pessoas que morreram (relembre aqui).

Devido à pandemia do novo coronavírus, os trabalhos de busca foram suspensos na região em 21 de março. O Corpo de Bombeiros aguarda aprovação dos novos protocolos pelo Comitê Extraordinário de Enfrentamento à Covid para retomar os trabalhos.

Marcela Gonzaga

Marcela Gonzaga

Editora do BHAZ desde fevereiro de 2020. Jornalista graduada pela Newton Paiva. Trabalhou como produtora de TV e chefe de produção durante 14 anos, com passagens pela RecordTV, Rede Minas, RedeTV!, TV TRT-MG e TV TJMG.

Comentários