Governo de MG reduz ondas para facilitar flexibilização e faz apelo à sociedade

coronavirus minas área hospitalar
Profissionais de saúde trabalham na Área Hospitalar de Belo Horizonte (Amanda Dias/BHAZ)

O Governo de Minas Gerais anunciou mudanças no programa Minas Consciente, que facilitam a flexibilização das atividades no estado em meio à pandemia do novo coronavírus, durante coletiva nesta quinta-feira (30). O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, enfatizou que a participação da sociedade é essencial para que as macrorregiões avancem nas novas ondas propostas pelo governo. A regressão, no entanto, pode ocorrer a qualquer momento, caso necessário.

Minas Gerais ainda passa por um período de alto número de casos do novo coronavírus. Segundo a SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais), já são 123.415 casos confirmados da Covid-19, com 2.692 óbitos. Somente nas últimas 24 horas, foram 4.021 novos casos e 84 mortes.

De acordo com o secretário adjunto de desenvolvimento econômico, Fernando Passalio, atualmente, são 316 municípios incluídos no programa, que são 37,5% do estado, divididos em quatro ondas: verde, branca, amarela e vermelha. A principal mudança anunciada é a redução das ondas de flexibilização, que agora passam de quatro para três:

  • Vermelha: para municípios ou regiões que enfrentam maior dificuldade com a Covid-19
  • Amarela: cidades em condições intermediárias
  • Verde: para condições mais segura.

Os índices avaliados para que as cidades avancem dentro do plano também sofrerem alteração. Agora, eles deverão atender aos seguintes fatores: Taxa de incidência do novo coronavírus; ocupação de leitos gerais; ocupação de leitos Covid-19; leitos por 100 mil habitantes; taxa de transmissão (Rt) e percentual de exames positivos.

Novas ondas em agosto

As novas ondas começam a valer a partir do dia 6 de agosto. “O programa tem tido uma grande adesão, uma avalanche de municípios aderindo diariamente, o que mostra a importância de termos, cada vez mais, informação e transparência para todos se adequarem às medidas do plano”, começou o secretário adjunto. Ele ainda detalhou a situações das macrorregiões: a Noroeste regrediu para a onda verde. A Triângulo do Norte e Oeste avançaram para a onda branca. A Centro-Sul avançou para a onda amarela.

“Foi feita uma consulta pública para a revisão do plano. Foi um sucesso, foi a maior já realizada pelo Governo de Minas Gerais, foram mais de 600 contribuições. Apesar de todas as mortes e perdas irreperáveis, acho que a sociedade está tendo um choque de cidadania. Podemos perceber isso com a participação das pessoas quando os espaços são dados”, explica o secretário adjunto.

Em outro momento, o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, detalhou os investimentos feito pela pasta. “Repassamos R$ 1 bilhão para toda a rede de Saúde do estado, aumentamos 1.600 leitos de terapia intensiva, compramos mil respiradores e aumentamos três mil leitos de enfermaria. Além disso, conseguimos estruturar e organizar toda a rede pública de atenção, e mantivemos o acompanhamento de todos os dados da epidemia. Não foi um esforço somente do governo, mas da União, municípios, prestadores e dos cidadãos que adotaram todas as medidas de prevenção”.

Agentes de mudança

O secretário continua dizendo que é preciso união da sociedade, e que depende dela o controle nas ondas do Minas Consciente. “Da nossa parte, nós estamos fazendo o máximo, não mediremos esforços para que cada dia a sociedade esteja mais protegida. É muito importante entendermos que a progressão da economia está relacionada a ação de cada cidadão. Se nós queremos evoluir, é necessário entender que cada um deve ser um agente de mudança”.

Carlos Amaral completa fazendo um apelo. “Cada um tem que fazer sua parte. Se começarmos a desorganizar a estrutura, não sobre outra alternativa a não ser regredirmos nas ondas. O vírus colocou regras no jogo, não tem jeito. Nós precisamos manter o distanciamento, uso de máscaras, lavar as mãos, cuidados com a higiene. Caso não façamos isso, não terá jeito, a regra do jogo é essa. O vírus não vai nos vencer, mas precisamos todos trabalhar juntos”.

Reforce a proteção contra o vírus

A SES-MG orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Vitor Fernandes
Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva da UOL.