Covid-19: BH registra 24 novas mortes e ultrapassa 21 mil casos

ambulancia samu
Doenças cardíacas continuam sendo principal comorbidade entre os óbitos confirmados (Amanda Dias/BHAZ)

Vinte e quatro pessoas foram incluídas no registro de mortes por Covid-19 em Belo Horizonte apenas nos últimos três dias, conforme dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde nesta segunda-feira (03). No mesmo período, também foram confirmados quase quinhentos novos casos da doença na capital.

Com isso, Belo Horizonte chega à marca de 21.072 infectados e acumula um total de 552 mortos pelo coronavírus. A maioria dos infectados na cidade ainda são mulheres na faixa dos 20 a 39 anos. Os indicadores também são bastante altos entre homens da mesma faixa etária e pessoas de 40 a 59 anos, padrão que vem sendo observado desde o início da pandemia.

Entre as mortes, prevalece ainda um outro fator também observado desde que foram confirmadas as primeiras vítimas: quase todos os óbitos confirmados foram de pessoas com pelo menos um fator de risco e/ou alguma comorbidade – apenas 1,6% das vítimas não se enquadrava nessa categoria.

Entre os fatores de risco, se destaca a idade avançada – a maioria dos mortos tinha 60 anos ou mais -, enquanto as doenças cardíacas são a principal comorbidade observada entre as vítimas, seguidas de perto pelo diabetes e por doenças pulmonares. Também consta nos relatórios oficiais, a primeira morte de uma mulher que tinha acabado de dar à luz.

Ocupação de leitos

A ocupação dos leitos de UTI e enfermaria destinados a pacientes com Covid-19 na rede pública de saúde é uma questão que preocupa as autoridades locais há semanas. O último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde indica uma diminuição nas taxas de ocupação dos dois tipos de leitos.

Na última sexta (31), a taxa de ocupação dos leitos de UTI destinados a tratar pessoas com coronavírus era de quase 88%. Hoje, este número está em 83,7%, enquanto a ocupação de leitos de enfermaria, que era de 68,1%, caiu um ponto.

Reforce a proteção contra o vírus

Para evitar a propagação da doença, a SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória. São elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
Giovanna Fávero
Giovanna Fáverogiovanna.favero@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Escreve com foco na área de Guia e Cultura no BHAZ.