Shoppings de Contagem abrirão lojas de serviços essenciais

ItauPower shopping localizado em Contagem
Shoppings de Contagem começam a reabrir quinta-feira

Até hoje, Contagem permanece na onda vermelha do programa Minas Consciente, que estabelece protocolos para retomada da economia diante da pandemia de Covid-19. Nesta onda é permitido o funcionamento de serviços essenciais, como: farmácias, supermercados e lojas de perfumaria e produtos de higiene. A partir de quinta-feira (6), essas lojas poderão funcionar também dentro dos shoppings da cidade da Grande BH. A informação foi confirmada pela Prefeitura de Contagem. A administração da cidade da Grande BH explicou que o município aderiu ao Minas Consciente no último dia 16 de julho, e, por isso, as lojas essenciais estão autorizadas a funcionar desde então.

No entanto, a medida tem causado dúvidas entre os funcionários dos shoppings. Esse é o caso, por exemplo, do ItaúPower shopping. Uma circular que ronda entre os lojistas, e foi encaminhada ao BHAZ, informa sobre a reabertura do centro de compras. Conforme o documento, o centro de compras “será reaberto ao público na próxima quinta-feira, com funcionamento de segunda-feira a domingo, no horário de 12 horas às 20 horas”.

A circular diz ainda que os lojistas devem entrar na página do Minas Consciente e verificar se o serviço que ele oferece está autorizado a voltar a funcionar. “Vale lembrar que é preciso tomarem as providências necessárias no âmbito trabalhista, como o cumprimento do prazo para o cancelamento de acordos de suspensões de contrato de trabalho, de reduções de jornada de trabalho e etc”, explica o comunicado.

Alguns funcionários, porém, ainda não sabem se vão voltar ao trabalho, ou se permanecem em casa. “Meu gerente não explicou nada direito. E a gente fica com receio. Eu, por exemplo, trabalho com vestuário. Será que as pessoas poderão experimentar roupas?”, questionou um funcionário, que prefere não ser identificado. Por meio de assessoria, o centro de compras informou que “ItaúPower Shopping está preparado para a reabertura e seguirá o protocolo do Minas Consciente, com cuidado e responsabilidade”.

De onde surgem as dúvidas?

Os questionamentos dos lojistas tem relação com uma mudança na metodologia do Minas Consciente. Antes, os serviços essenciais contavam na onda verde, agora, eles fazem parte da onda vermelha. Os serviços como lojas de calçados e vestuário passaram da onda branca para a onda amarela. E os demais serviços, antes contemplados nas ondas amarela e vermelha, agora fazem parte da onda verde.

ondas do Minas Consciente
Contagem está na onda vermelha do Minas Consciente (Divulgação/Agência Minas)

Como ocorre a mudança de onda?

Para que uma macrorregião mude de onda, ela precisa atender a alguns indicadores como: taxa de incidência da Covid-19, taxa de ocupação de UTI Adulto, entre outros. Por isso, se os índices de contaminação e ocupação de hospitais reduzirem, os municípios podem passar para outra onda. Isso vale também para os shoppings. Ou seja, com a redução da taxa da doença, lojas que não estão inseridas em serviços essenciais poderão funcionar.

protocolo para mudança de onda
O que é levado em consideração para avançar na flexibilização (Divulgação/Agência Minas)

O que pode em cada onda?

Onda Vermelha:

  • Padarias;
  • Supermercados;
  • Farmácias e drogarias;
  • Bares e restaurantes (apenas para retirada ou entrega);
  • Serviços médicos e odontológicos;
  • Atividades veterinárias;
  • Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e higiene pessoal;
  • Oficinas mecânicas;
  • Borracharias;
  • Comércio de veículos;
  • Comércio de peças para veículos;
  • Estacionamento de veículos;
  • Reparação e manutenção de equipamentos de informática;
  • Reparação de celulares e equipamentos de comunicação.

Onda Amarela:

  • Comércio de artigos do vestuário;
  • Comércio de calçados;
  • Papelarias;
  • Comércio varejista de jornais e revisas;
  • Comércio varejista de bijuterias e artesanato;
  • Cabeleireiros e salões de beleza;
  • Atividades de estética e cuidados com a beleza.

Onda Verde:

  • Aluguel de objetos do vestuário;
  • Bares e restaurantes com entretenimento e consumo no local;
  • Casas de festas e eventos;
  • Cinemas;
  • Serviços de tatuagens e colocação de piercing.

Como está a situação em Contagem?

Conforme o Boletim Epidemiológico divulgado hoje pela SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais), Contagem tem 3.836 infectados pelo novo coronavírus. No estado, são 135.728 doentes, e o número de óbitos chega a 3.043.

O que diz a prefeitura?

A prefeitura de Contagem informou, por meio de nota, que as lojas que comercializam produtos essenciais poderão voltar a funcionar dentro dos shoppings a partir de quinta-feira. Veja a nota na íntegra:

“O Município aderiu ao Minas Consciente em 16 de julho e, desde então, como Contagem está na “Onda Verde” do plano estadual, fica permitido apenas o funcionamento do comércio considerado essencial, inclusive nos shoppings. O funcionamento nos shoppings das lojas cujas atividades são consideradas essenciais, portanto, passou a ser autorizado conforme todos os protocolos da “Onda Verde” do Minas Consciente.

O Minas Consciente anuncia na próxima quinta-feira, 6 de agosto, que entram em vigor as reformulações feitas no plano estadual. A partir desta data, seguindo tais reformulações, Contagem passa a fazer parte da “Onda Vermelha”. 

Com as reformulações do Minas Consciente, as fases da flexibilização foram reduzidas de quatro para três (com exclusão da Onda Branca). Houve ainda a inversão de cores: antes previstas na Onda Verde, as atividades consideradas essenciais serão permitidas a partir de 6 de agosto na Onda Vermelha. A Onda Verde passa a englobar serviços não essenciais com alto risco de contágio.

Ou seja, na prática, mesmo Contagem passando para a “Onda Vermelha”, a partir de quinta-feira continuarão permitidas apenas as atividades comerciais essenciais, incluindo as lojas dos shoppings.

A mudança de Contagem (que compõe a microrregião do Minas Consciente junto com Sarzedo e Ibirité) para outra Onda do plano estadual, para a “Amarela”, passando a permitir algumas atividades não essenciais (como comércio de vestuário, calçados, papelaria, etc), inclusive nos shoppings, só pode ocorrer mediante decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 do governo de Minas, que avalia, entre outros indicadores, as Taxas de Incidência Covid-19 e de Ocupação de leitos UTI Adulto.

A Prefeitura reitera que até o presente momento não recebeu nenhum posicionamento oficial do Comitê Extraordinário Covid-19 para que Contagem mude para a “Onda Amarela” do Minas Consciente”.

E Belo Horizonte?

Na última sexta-feira (31), a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) apresentou protocolos para retomada do modelo de flexibilização de atividades do comércio na cidade. As regras para os estabelecimentos são divididas em três fases de reabertura. Na tarde desta terça-feira (4), o prefeito Alexandre Kalil deve apresentar alguma novidade com relação a reabertura. Ontem, a PBH convocou uma coletiva para tratar do assunto (clique aqui e relembre as fases).

Aline Diniz
Aline Dinizaline.diniz@bhaz.com.br

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.