Desembargador volta a ser flagrado sem máscara e debocha de guardas

desembargador sem máscara santos
O homem já havia sido flagrado em dois outros vídeos (Reprodução/Twitter)

O desembargador Eduardo Siqueira, que ficou conhecido ao ser filmado humilhando um guarda municipal após ser abordado por não usar máscara, voltou a desrespeitar o decreto e debochou dos agentes que fiscalizam o cumprimento da regra em Santos, litoral de São Paulo. Em novas imagens, que viralizaram nas redes sociais, o magistrado aparece andando sem máscara em uma praia na cidade. Ao ser questionado pelo G1, ele disse que “não dá bola” e que os guardas “poluem a praia”.

De acordo com o portal, o registro foi feito na manhã de ontem, por uma moradora da cidade. Ela conta que viu o homem andando pela praia com a máscara no pescoço enquanto falava ao celular, durante cerca de 20 minutos. “Passou a Rua General Rondon, avistou uma viatura da GCM (Guarda Civil Municipal), deu meia volta e colocou a máscara”, contou ela ao G1. Segundo ela, outras pessoas que passavam pela rua também observavam o homem.

Deboche

O portal entrou em contato com Eduardo Siqueira, desembargador do TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que disse que a moradora deveria fazer uma acusação por escrito, autenticada, para que seja verificado se é ele que aparece nas imagens. “Eu não me lembro. Provavelmente não era eu”, disse.

O magistrado disse que estava trabalhando no dia em que foi flagrado pela segunda vez, a partir das 13h30, mas as imagens foram tiradas durante a manhã. Em um áudio enviado ao G1, ele também debochou dos agentes da GCM. “Uma coisa que eu ignoro são essas viaturas da guarda, esses meninos para cima e para baixo. Não dou a menor bola para eles, é um desprazer ver eles estragando, destruindo, poluindo a praia”, disse.

Relembre o caso

O rosto do desembargador ficou conhecido em todo o país e, por isso, ele foi reconhecido pela moradora. No dia 18 de julho, Eduardo Siqueira foi flagrado humilhando um guarda municipal que o abordou para pedir que ele usasse a máscara. Em Santos, o uso do equipamento em espaços públicos é obrigatório e a sanção para o desrespeito ao decreto municipal é uma multa de R$ 100.

No vídeo, Siqueira pega o celular e informa ao guarda que está ligando para o secretário de Segurança Pública do município, Sérgio Del Bel Junior. Durante a ligação, o desembargador dispara: “estou aqui com um analfabeto”. Depois, ele tenta se justificar. “Eu falei, vou ligar para ele [Del Bel] porque estou andando sem máscara. Eu estou andando nessa faixa da praia e ele está aqui fazendo uma multa. Eu expliquei e eles não conseguem entender”, esbravejou.

Como se não bastasse, o desembargador ainda tomou a multa do guarda, rasgou o documento e o jogou na cara do trabalhador. À época, ele emitiu uma nota afirmando que o vídeo era verdadeiro, mas que foi tirado de contexto. No texto, Siqueira diz que “decreto não é lei” e que, por isso, entende não ser obrigado a usar máscara, e que qualquer norma que diga o contrário é “absolutamente inconstitucional”.

Outro vídeo

Dias antes do episódio, o desembargador já havia sido punido pela mesma infração. Em outro vídeo, ele também intimida um inspetor da Guarda Civil Municipal de Santos (relembre aqui). Alterado, o magistrado diz que a Prefeitura de Santos não tem competência legislativa sobre a região, já que ele paga tributos à Marinha do Brasil.

Nervoso, ele acrescenta que foi professor universitário, conversa em francês com o guarda e afirma ser irmão “do procurador que cuida dos IPMs [inquéritos policiais militares] no estado de São Paulo”. Além disso, exibe na agenda o contato de chefes da seguranças pública paulista, que supostamente seriam amigos dele e que lhe dariam respaldo. Alterado, o magistrado diz que a Prefeitura de Santos não tem competência legislativa sobre a região, já que ele paga tributos à Marinha do Brasil.

“Eu não quero, mas vocês querem ter um problema, então vocês vão ter um problema”, diz o desembargador, em tom de ameaça. O inspetor explica que a intenção da fiscalização é conscientizar a população. O desembargador ironiza: “Vous parlez français, monsieur? (você fala francês, senhor?, em português)”.

Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.