Marília Mendonça é acusada de transfobia nas redes sociais

Marilia Mendonca live
Cantora pediu desculpas pelo comentário (Reprodução/Marília Mendonça/YouTube)

Um comentário feito pela cantora Marília Mendonça, durante mais uma de suas lives, não foi bem aceito por boa parte do público. O fenômeno do sertanejo ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter após o fim da transmissão, nesse domingo (9). Marília está sendo acusada nas redes sociais de ter tido uma atitude transfóbica ao rir de um colega da banda por, supostamente, ter ficado com uma mulher trans. A cantora pediu desculpas nesta segunda-feira (10).

Entre uma música e outra, a cantora comentou, em meio a risadas dela e dos colegas da equipe, que o tecladista teria ido a uma boate LGBT e “beijou a mulher mais bonita da vida dele”. “É só isso. O contexto vocês não vão saber”, acrescentou, dando a entender que a mulher seria transsexual.

Em seguida, o músico sobre o qual a cantora falava se defendeu dizendo que “era mulher mesmo”. Marília e os membros da equipe deram risada e ela interrompeu a conversa, para continuar o show.

Repercussão

Ainda durante a manhã desta segunda-feira (10), a expressão “Marília transfóbica” estava entre os assuntos mais comentados no Twitter. Muitos falaram que estavam decepcionados com a atitude da cantora pelo comentário e torceram para que ela entendesse o problema da piada. “Ser transfóbica é, sem dúvidas, uma escolha. Eu vou lhe sugerir um caminho: aproveite para aprender”, escreveu uma usuária do Twitter.

Após repercussão, a cantora escreveu uma mensagem em seu Twitter pedindo desculpas. “Pessoal, aceito que fui errada e que preciso melhorar. Mil perdões. De todo o coração. Aprenderei com meus erros. Não me justificarei.”

É crime!

Vale reforçar que homofobia e transfobia são crimes previstos por lei. Eles entram na lei do racismo, já existente há 30 anos e, com isso, as punições são semelhantes. O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homofobia em junho de 2019.

Veja o que é considerado crime:

  • “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito” em razão da orientação sexual da pessoa poderá ser considerado crime;
  • a pena será de um a três anos, além de multa;
  • se houver divulgação ampla de ato homofóbico em meios de comunicação, como publicação em rede social, a pena será de dois a cinco anos, além de multa;
  • a aplicação da pena de racismo valerá até o Congresso Nacional aprovar uma lei sobre o tema.

Guilherme Gurgel
Guilherme Gurgelguilherme.gurgel@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco nas editorias de Cidades e Variedades no BHAZ.