Ford Territory acirra o segmento dos SUVs médios; confira a avaliação da versão Titanium

Ford Territory
Foto: Eduardo Aquino

Principal lançamento da Ford no ano, o Territory chega ao mercado para inchar ainda mais o segmento dos utilitários esportivos médios. E terá pela frente concorrentes de peso, já consolidados, como o Jeep Compass e Volkwagen Tiguan.

Ford Territory
SUV é produzido na China pela JMC, parceira da Ford (Foto: Eduardo Aquino)

O Acelera Aí já avaliou a versão topo de linha do SUV da marca do oval azul, que é equipada com motor 1.5 turbo a gasolina, de 150 cv de potência, e câmbio automático do tipo CVT com oito marchas simuladas.

Importado da China, onde é produzido pela JMC (que tem uma parceria com a Ford), o modelo tem como principais qualidades o amplo espaço interno, que acomoda com bastante conforto cinco adultos; a ampla lista de equipamentos de conforto e segurança; as linhas bem equilibradas (herdadas do modelo Yusheng S330, da JMC) e, para surpresa, a boa qualidade do acabamento interno.

Leia mais: O teste do Nissan Frontier S

Linhas equilibradas

Começando pelo visual externo, as linhas do Territory equilibram elegância e esportividade e lembram as do Range Rover Evoque, com a linha de cintura ascendente e o pequeno vidro vigia traseiro. Destaque para os faróis, luzes diurnas e lanternas traseiras em LED.

Por fora, a versão Titanium se diferencia pelo teto na cor preta (como a unidade avaliada tinha cor preta, o efeito contraste foi anulado), pelas luzes de aproximação nos retrovisores, as maçanetas cromadas e as rodas de liga de 18 polegadas (na opção SEL, elas são de 17 polegadas.

Ford Territory
Territory tem linhas externas equilibradas (Foto: Eduardo Aquino)

Bege chique

Ao entrar no Territory, chamam a atenção o bom nível do acabamento, em especial do revestimento parcial em couro bege, que está presente também no painel; a tela central multifuncional de 10,1 polegadas do Multimídia SYNC, completamente integrada ao painel; e o amplo espaço interno que acomoda com conforto cinco adultos. Falta apenas um porta-malas mais espaçoso.

Leia mais: S10 conectada ao agro

Apesar de ser chinês, o modelo não tem cheiro de carro chinês, que desagrada muita gente. A Ford explica que foram usadas colas especiais na versão importada ao Brasil, para que agradece o nosso olfato.

Também se destacam as teclas, localizadas abaixo da tela central (imitando um pouco o Peugeot 3008); o botão giratório que comanda algumas funções do multimídia; e o quadro de instrumentos digital configurável com tela HD de 10 polegadas.

O motorista desfruta de várias regulagens elétricas para o seu banco, que tornam muito fácil a tarefa de encontrar uma boa posição de dirigir, enquanto os bancos dianteiros podem ser resfriados ou aquecidos.

Conforto a bordo

A sofisticação do conforto a bordo é um dos pontos positivos do Territory, que tem, entre tantos outros, carregamento sem fio para celular, luz ambiente configurável em sete opções de cores e intensidade, partida remota com acionamento do ar digital, entradas USB (tanto para recarga como para transferência de arquivo) para todo lado e sistema de estacionamento automático.

Leia mais: Avaliação do Chevrolet Onix Premier

O pacote segurança também é bem completo e sofisticado, com destaque para o controle automático de velocidade adaptativo, sistema de alerta de colisão e frenagem autônoma de emergência e câmera 360º com visualização panorâmica, além de tantos outros.

Pouco entusiasmo

Debaixo do capô, está um motor 1.5 turbo, que desenvolve 150 cv e está acoplado a um câmbio automático do tipo CVT de oito marchas simuladas. A performance não chega a entusiasmar, mas a dupla dá conta do recado. As mudanças manuais e o modo sport melhoram as respostas do câmbio.

A suspensão absorve bem as irregularidades do piso, mas exige um pouco de atenção nas curvas mais fechadas e de piso irregular. O volante multifuncional tem boa pega e a calibragem da direção está bem equilibrada, sendo bastante macia nas manobras e com bom peso em altas velocidades.

Ford Territory
Foto: Eduardo Aquino

Texto: Eduardo Aquino

Executivos da Ford apresentam expectativas e estratégias para o novo modelo

Durante o lançamento do Territory, através de uma live exclusiva para a imprensa especializada, executivos da Ford apresentaram algumas informações importantes em relação às expectativas comerciais e estratégias.

Veja alguns pontos da entrevista:

O fato do modelo ser fabricado na China é um dos desafios que a Ford deve trabalhar para uma melhor aceitação no mercado brasileiro?

Não acho que isso será um desafio. Ninguém está preocupado se o tênis ou celular é feito na China e sim confiam na marca. O Territoty é um produto feito pela Ford, com o padrão de qualidade da Ford. Mudamos alguns componentes de cola, para que o cheiro tivesse um cheiro Ford, que o brasileiro estivesse acostumado. As pessoas vão focar nos atributos de qualidade, durabilidade, tecnologia e desempenho.

Leia mais: Strada com cara de Toro

Em um segmento que cresce tanto no País e com muitas opções, qual a expectativa de vendas da Ford (volume e participação)?

Não vamos entrar neste detalhe num ambiente de pandemia, onde as previsões estão difíceis. Quanto do ponto de vista de produto e peças em caso de necessidade de reposição estamos muito bem equipados. Ele já começa a chegar nas revendas em agosto e qualquer variação de demanda vamos nos adaptar.

Como manter o Territory com preço competitivo diante do câmbio nas alturas, já que a maioria dos competidores no segmento tem fabricação nacional?

A gente vai trabalhar em um dólar médio; a gente sabe que podem acontecer variações mas não devem ser tão grandes. Se isso acontecer pode ser que tenha um reflexo, por enquanto não reflete no preço.

Até o fim de 2020, há limitação no volume de unidades para o mercado brasileiro? E como será a venda online do Territory?

Não temos limitação e estamos prontos para atender às demandas. Temos o programa “compre sem sair de casa” e como todos os veículos o Territory se inclui nesta opção de venda online.

Leia mais: Pajero Sport 2021

Boa parte das SUVs são feitas para rodar nas cidades, mas não aguenta muito o dia a dia da área rural. Como a Territory aguentará a rotina de buracos das cidades ou o peso do off road?

As validações foram feitas no pavimento do Brasil, como alterações nos pneus e suspensão para conforto e ruído. A dedicação desse carro é mais cidade, não tem 4×4 mas aguenta sim o que as outras aguentam, como sítio, fazenda, estrada de terra. Ele não é um Troller e é preparado para o que foi desenvolvido. Hoje as SUVs são mais urbanas. Foi desenhado para o consumidor que quer uma utilidade maior no urbano. Mas no nosso DNA temos muita experiência nesta utilização mista, globalmente. Com uma vantagem que nós somos uma das poucas montadoras que tem um departamento para desenvolver esses veículos, com uma pista de desenvolvimento dedicada (Tatuí).

O Territory vai ter alguma série especial personalizada, como o Ecosport tem?

Não.

Quando se menciona que o Compass é um concorrente, foi levado em consideração que as vendas do modelo da FCA são representadas em grande parte por vendas diretas? Há uma pretensão de venda do carro por CNPJ?

Sim, levamos isso em consideração. Mas no nosso caso não temos política especial para PJ (Pessoa Jurídica). Esta questão é uma decisão comercial de cada montadora. Vamos seguir outro caminho.

Por que não há opção de motor flex? O quanto isso pode afetar o interesse pelo consumidor?

Essa questão do flex não é tão relevante na decisão de compra, por isso preferimos não fazer. Se esse perfil mudar vamos reagir Achamos não ser relevante na decisão de compra.

O motor 1.5 Ecoboost tem peças compartilhadas com o motor 1.5 usado no EcoSport?

Não compartilha, mas trabalhamos em ter componentes comuns, como velas e lubrificantes.

Já temos crash-test com resultados do Territory?

Sim. Testes foram feitos na China atendendo o ChinaNCap, onde o Territory ganhou cinco estrelas. Não tem ainda teste do LatinNcap. Os importados chegam ao País com o aval das entidades de teste internacionais.

Leia mais: Hilux repaginada

Há alguma previsão de trazer uma versão 2.0 turbo com 4×4 para competir com Tiguan R-Line e até versões Diesel do Compass?

Não há previsão ou outro segmento. Nosso foco é o que estamos fazendo. Para que haja melhor relação custo/benefício para o consumidor. E acho que acertamos na mosca, com um produto muito bem definido em relação aos concorrentes. Na faixa onde ele concorre temos relação mais competitiva em relação a conteúdo e custo.

Com o Territory, a Ford acha que pode vendê-lo mais fácil para os clientes fiéis do EcoSport ou reconquistar os clientes do Edge?

Nós queremos oferecer o melhor portfólio, a gente entende que tem uma tendência maior de venda para o Eco, por causa do preço. É uma opção, a gente entende. Mas para esses clientes que não estavam sendo totalmente atendidos, o Territory é a melhor opção.

Mercado PcD? A Ford vai entrar com o Territory?

Não, por causa da legislação. Não há isenção, mas se o cliente PcD quiser comprar será muito bem atendido.

Texto: Luís Otávio Pires

Ficha Técnica

  • Motor – Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.5, turbo e injeção direta de gasolina, que rende potência de 150cv a 5.300rpm e torque de 22,9kgfm entre 1.500 a 4.000rpm
  • Transmissão – Tração dianteira, com câmbio automático do tipo CVT com oito marchas simuladas
  • Direção – Assistência elétrica
  • Suspensão – Dianteira, independente, do tipo McPherson; e traseira, independente, do tipo multlink
  • Dimensões – Comprimento, 4,58m; largura, 1,93m; altura, 1,67m; e entre-eixos, 2,71m
  • Freios – A disco nas quatro rodas, sendo ventilados na dianteira e sólidos na traseira
  • Rodas e pneus – Rodas de liga de 18 polegadas, calçadas com pneus 235/50 R18
  • Porta-malas – 348 litros
  • Tanque – 52 litros
  • Peso (em ordem de marcha) – 1.632 quilos
  • Principais equipamentos – Teto solar panorâmico, faróis, luzes diurnas e lanternas traseiras em LED; faróis de neblina, ar-condicionado automático digital com saída para os bancos traseiros, banco do passageiro com ajuste manual de 4 posições, seis airbags (frontais, laterais e de cortina), controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, sensor de monitoramento de pressão dos pneus, sistema Isofix, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, câmera de ré, chave inteligente, computador de bordo, central Multimídia SYNC Touch com tele sensível de 10,1 polegadas, 2 entradas USB frontais (transferência de arquivo + recarga), entrada USB para carregamento no retrovisor (recarga), entrada USB para carregamento traseira (recarga), comandos de áudio e voz no volante, sistema de som com 8 alto-falantes, conectividade via aplicativo Fordpass Connect, partida remota com acionamento do ar-condicionado, alerta de acionamento do alarme perimétrico no celular, sistema de localização do veículo, status remoto do veículo (pressão de pneus, nível do combustível), alertas de funcionamento do veículo, teto na cor preta, luzes de aproximação nos retrovisores, retrovisores externos com rebatimento elétrico, bancos parcialmente em couro e revestimento premium na cor bege, bancos dianteiros com aquecimento e resfriamento controlável, luz ambiente configurável em 7 opções de cores e intensidade, banco do motorista com ajuste elétrico em 10 posições, sistema de alerta de colisão e frenagem autônoma de emergência, sistema de monitoramento de ponto cego, alerta de mudança de faixa, câmera 360º com visualização panorâmica, controle automático de velocidade adaptativo com Stop and Go, painel de instrumentos digital configurável com tela HD de 10 polegadas, sistema de estacionamento automático, carregador sem fio de celular, acendimento automático dos faróis e sensor de chuva.
  • Preço – R$ 187.900

Ouça o Acelera BandNews sobre o mesmo tema (link)

Acesse: www.aceleraai.com.br

Acelera Ai
Acelera Airedacao@aceleraai.com.br

Jornalistas Eduardo Aquino e Luís Otávio Pires são os editores do site Acelera Aí e da seção veículos do portal Bhaz