Em noite terrível dos goleiros atleticanos, Galo perde para o Santos

marinho rafael expulsão atlético galo santos brasileiro
Momento em que o Rafael acerta Marinho e é expulso (Richard Callis /Fotoarena/Folhapress)

Por Lohanna Lima, especial para o BHAZ

A noite foi de reencontros e de um jogo em que não faltou emoção na Vila Belmiro. De um lado, Sampaoli, vice-campeão com o Santos na temporada passada. Do outro, Cuca, que liderou o Atlético na conquista inédita da Libertadores em 2013. Após o clima amistoso entre jogadores e ambas as comissões técnicas, o duelo entre Galo e Peixe pegou fogo dentro das quatro linhas. Com direito a expulsão, lances revisados e até desentendimento entre os bancos, o Santos bateu o Atlético por 3 a 1 nesta quarta-feira (9).

Com o resultado negativo, o Galo caiu para o 4º lugar na tabela, com 15 pontos, e pode perder até duas posições, dependendo dos resultados das partidas de Palmeiras e Vasco, que entram em campo nesta quinta-feira (10). O Atlético volta a campo diante do Red Bull Bragantino, no domingo (13), às 18h, no Mineirão, com três desfalques: Sampaoli, Jair e Rafael – todos suspensos.

Já o Santos chegou ao 6º lugar, com 14 pontos. O Peixe também pode perder posições dependendo do que acontecer nas outras partidas que restam da 9ª rodada do Brasileiro. A equipe do técnico Cuca volta a campo no sábado (12), para o clássico contra o São Paulo, na Vila Belmiro, às 19h.

Pressão atleticana

Os primeiros 15 minutos de jogo foram todos do Atlético. O Galo começou em cima e exigiu boas defesas do goleiro João Paulo. Aos 2, Arana teve uma boa oportunidade depois de receber o cruzamento de Savarino, pela direita, mas foi travado na hora do chute. Inclusive, muitos torcedores entenderam que o lance foi uma penalidade. Um minuto depois, Sasha quase abriu o placar, mas esbarrou no goleiro santista que defendeu. No rebote, Savarino chegou batendo, mas Felipe Jonathan tirou de carrinho.

Salva, João Paulo

Com moral nas últimas semanas, João Paulo foi o grande nome do Santos no 1T. O jovem saiu do posto de terceiro goleiro para titular da meta santista e vem fazendo defesas importantes na competição. Aos 12, Savarino recebeu dentro de área, de frente para João Paulo, que se esticou para tirar a bola. Na sobra, Sasha chegou batendo, mas o goleiro se recuperou e fez uma outra grande intervenção, evitando uma chance claríssima de gol do Atlético.

Para o chuveiro

Aos 15, um lance que jogou um balde de água fria na pressão atleticana. Mariano tentou recuar o jogo, e a bola ficou com Marinho. Rafael saiu da área para tentar parar o ataque santista, mas acertou em cheio o atacante com uma entrada por baixo. O árbitro deu vermelho direto para o goleiro do Galo, que ainda tentou argumentar, sem sucesso.

Para esquecer

Com a expulsão de Rafael, Sampaoli precisou sacrificar Marrony para colocar Victor em campo, que não jogava há mais de seis meses. E a noite realmente não era dos goleiros atleticanos. Dois minutos após a substituição forçada, Arthur Gomes partiu em velocidade pela esquerda e chutou rasteiro, aparentemente sem perigo. Mas o número 1 do Galo aceitou – a bola passou debaixo de suas pernas. Com as chances mais claras da partida, o Atlético foi surpreendido e precisava se reencontrar no jogo.

Tudo igual de novo

Mesmo depois do gol e da expulsão, o Atlético conseguiu se recuperar emocionalmente na partida. Aos 35, após de uma bobeada do volante Jobson no meio-campo, Eduardo Sasha ficou com a bola e partiu para o ataque com muita velocidade. O atacante do Galo viu Alan Franco passando pela direita e tocou para o equatoriano. Ele bateu cruzado, a bola bateu no zagueiro santista e matou o goleiro João Paulo. Foi o terceiro gol de Franco nos últimos três jogos do Galo e agora é o artilheiro do time no Brasileiro. Vive grande fase o garoto!

Felicidade dura pouco

O Atlético mal havia terminado de comemorar o gol de empate e o Santos já armava um ataque perigoso em busca de mais um gol. E deu certo. Sánchez enfiou uma bola longa para o Madson, que estava aberto pela direita. Ele cruzou rasteiro para dentro da área, onde Marinho recebeu nas costas de Igor Rabello e mandou para o fundo das redes de Victor. O Santos ainda marcou uma terceira vez ainda no 1T, aos 43, com Madson. No entanto, o santista estava em posição irregular.

2T agitado

Na volta para o 2T, o Santos entrou disposto a se aproveitar da superioridade numérica. O Peixe se movimentou bastante e teve chances de ampliar o placar. Aos 26, Marinho marcou, mas não valeu. O assistente levantou a bandeira assinalando a posição irregular do atacante e o VAR confirmou a irregularidade.

Aos 30, as duas comissões técnicas se desentenderam e houve expulsão. Deixaram o banco o preparador de goleiros santista e um dos auxiliares de Sampaoli. O técnico do Galo foi amarelado também e está suspenso para a próxima partida, assim como o volante Jair e o goleiro Rafael.

Último lance

No último minuto da partida, o Santos ainda teve um pênalti a seu favor. Em um lance entre Marinho e Alonso, o árbitro foi consultar o vídeo e pegou a falta do zagueiro atleticano no atacante do Santos. O próprio Marinho foi para a cobrança e marcou, dando números finais à partida na Vila Belmiro: 3 a 1.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 1 ATLÉTICO

Data: 9 de setembro de 2020 (quarta-feira)
Horário: 21h30 (de Brasília)
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
Cartões amarelos: SANTOS: Felipe Jonatan. ATLÉTICO: Allan e Keno
Cartão vermelho: ATLÉTICO: Rafael

GOLS:
Santos: Arthur Gomes e Marinho, aos 21 e 38 minutos do 1T; Marinho, aos 52 minutos do 2T;
Atlético: Franco, aos 34 minutos do 1T.

SANTOS: João Paulo, Madson (Derick), Jobson, Alex Nascimento (Wagner Leonardo) e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Carlos Sánchez (Ivonei) e Arthur Gomes; Marinho, Soteldo e Lucas Braga
Técnico: Cuca

ATLÉTICO: Rafael, Mariano, Igor Rabello, Júnior Alonso e Arana; Jair (Marquinhos), Allan (Hyoran), Franco e Eduardo Sasha; Savarino (Keno) e Marrony (Victor)
Técnico: Jorge Sampaoli

Edição: Thiago Ricci

Comentários