Servidores do Governo de Minas voltarão ao trabalho presencial

Cidade Administrativa de Minas Gerais
Governo preparou diretrizes para retorno do trabalho presencial (Moises Santos/BHAZ)

O Governo de Minas anunciou, nesta terça-feira (15), as diretrizes para a retomada do trabalho presencial dos servidores do Executivo do estado. A partir de agora, os órgãos tem até 10 dias para definir a retomada. O plano também conta com medidas para reativação dos trabalhos na Cidade Administrativa. No entanto, o retorno não valerá para todos. Alguns servidores terão prioridade para continuar trabalhando de casa (entenda abaixo).

As medidas valem para funcionários de órgãos do governo, autarquias e fundações que prestam serviços relativos à saúde, à segurança pública e à educação e empresas estatais controladas direta ou indiretamente pelo estado.

Anúncio nas redes sociais

A decisão foi publicado no Diário Oficial de Minas Gerais, e anunciada nas redes sociais pelo secretário de Planejamento Otto Levy. “Importante dizer que não será retorno imediato, estamos apenas definindo as diretrizes e as condições para que esse retorno aconteça”, disse.

Conforme Levy, para a retomada, são necessárias três pré-condições:

  • O órgão deve estar em regiões inseridas na onda verde do Minas Consciente;
  • O setor deve publicar diretrizes definindo setores prioritários para o retorno ao trabalho presencial;
  • A repartição deve estar preparada e os servidores precisam ser comunicados.
View this post on Instagram

#Repost @governomg ・・・ Nesta terça-feira (15/9), serão publicadas diretrizes para a retomada segura e gradual do trabalho presencial no Poder Executivo de Minas Gerais. A partir dessa publicação, começa a contar o prazo para cada órgão publicar, em até 10 dias, as regras específicas para o retorno do trabalho presencial de seus servidores. Após essa publicação específica, a chefia imediata de cada servidor entrará em contato para orientação. Um dos critérios para o retorno da jornada presencial é que a região esteja na Onda Verde do Minas Consciente. A Cidade Administrativa, situada na Região Central, atualmente na Onda Amarela, conta com regras diferenciadas, em razão do volume de servidores que trabalham no local.

A post shared by Secretaria de Planejamento MG (@seplagmg) on

Cidade Administrativa

A Cidade Administrativa também deve ser reativada, assim que a região Central avançar para onda verde do plano Minas Consciente que, atualmente, considera a área em nível amarelo. No entanto, o local será ocupado por 20% da capacidade física dos escritórios.

“Estamos fazendo esse anúncio para dar transparência e previsibilidade a todo esse processo sobre o retorno ao trabalho presencial de tal forma que tenhamos tempo para nos preparar para ele”, destacou Otto.

Quem pode ficar em casa?

De acordo com as diretrizes publicadas, alguns servidores terão prioridade para continuar trabalhando em modelo de teletrabalho, caso atendam aos seguintes critérios:

  • Caso façam parte do grupo de risco da Covid-19;
  • Servidores com idade acima dos 60 anos;
  • Gestante ou lactantes;
  • Servidores que têm filhos em idade escolar, até que sejam retomadas as aulas presenciais nas escolas públicas e privadas;
  • Servidores que moram com pessoas do grupo de risco

“O objetivo é assegurar que as atividades que podem ser exercidas de forma mais eficiente presencialmente sejam retomadas de maneira organizada e seguindo todas normas necessárias para prevenção, enfrentamento e contingenciamento da pandemia de Covid-19”, afirma Otto Levy.

Coronavírus em Minas

De acordo com dados do boletim epidemiológico divulgado pela SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) ontem, Minas Gerais tem 253.997 mil casos confirmados do novo coronavírus. Ao todo, o estado soma 6.286 óbitos.

Edição: Aline Diniz
Rafael D'Oliveira
Rafael D'Oliveirarafael.doliveira@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários