Bombeiros controlam incêndio na Serra da Moeda após 5 dias de fogo

incêndio controlado na serra da moeda
Até a segunda-feira, metade do Parque da Serra da Moeda havia sido consumido pelo fogo (Corpo de Bombeiros de Minas Gerais/Divulgação)

O incêndio que consumia a Serra da Moeda, na região metropolitana de Belo Horizonte, desde a noite de sexta-feira (11), foi finalmente controlado pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais na manhã de hoje. A corporação ainda faz o monitoramento de alguns focos no local para evitar que o fogo retorne, após cinco dias de combate.

De acordo com o capitão Fabrício Dalfior, que comanda a equipe de combate do Corpo de Bombeiros, na manhã de ontem havia três focos de incêndio ativos e os militares conseguiram debelar um deles. Hoje, no início do dia, as equipes usaram um drone para monitorar a região e verificaram que as chamas dos dois focos restantes foram extintas.

“Continuamos o monitoramento na divisa entre a Serra da Moeda e Belo Vale, por segurança, já que pode haver reignição com o aumento das temperaturas no início da tarde. Os 24 militares da equipe estão de prontidão para, caso alguma coisa aconteça, o combate seja rápido e evite um alastramento para outras áreas”, explica o comandante.

Histórico

O Corpo de Bombeiros começou a atuar no incêndio na Serra da Moeda no início do sábado (12), quando nove grupos de combate de incêndio florestal foram distribuídos em pontos estratégicos do local. No dia seguinte, os militares receberam apoio do Batalhão de Emergências Ambientais e uma equipe de Ouro Preto também se deslocou para ajudar no combate.

No domingo, 21 militares do Corpo de Bombeiros, cinco brigadistas do IEF (Instituto Estadual de Florestas) e mais 35 voluntários, totalizando 61 pessoas, se envolveram no combate às chamas na Serra da Moeda. Já na segunda-feira, 49 pessoas se dividiram para atuar em sete focos de incêndio no local. Enquanto isso, vários voluntários de fazendas próximas também fizeram pequenos combates locais no entorno de suas propriedades.

Desde as 6h30 da manhã de ontem, 35 militares e 27 brigadistas participaram do combate. Até a segunda-feira, estimava-se que o incêndio havia atingido 4.200 hectares da, sendo que mil desses hectares estão dentro do Parque Monumento Natural Serra da Moeda, o que corresponde à metade da área total do parque. Desde então, ainda não se sabe a extensão da área atingida pelo fogo.

Evite queimadas

Segundo o Corpo de Bombeiros, além do tempo seco e a ação do vento, o principal contribuinte para grande parte das queimadas e incêndios florestais é o homem. Ao atear fogo para limpar terrenos e trilhas – que são os exemplos mais comuns – é possível provocar um incêndio florestal de grandes proporções e muitas vezes irreparável.

Para evitar queimadas, não jogue pontas de cigarro na beira de estradas, nem descarte lixo em locais indevidos. Latas de metal e cacos de garrafa podem se aquecer e dar origem a queimadas. Fogueiras devem se feitas somente em locais limpos, sem vegetação. Após o uso, elas devem ser bem apagadas.

Para queimas controladas, procure sempre o IEF (Instituto Estadual de Florestas) para ser orientado e receber uma autorização. Em caso de emergência, ligue 193.

Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários