Homem mata mulher em BH e finge que casal foi vítima de roubo

Fachada lateral do hospital Risoleta Neves
Mulher morre esfaqueada pelo marido dentro do carro na região Norte de BH (Reprodução/ Google StreetView)

Mais um caso de feminicídio foi registrado em Belo Horizonte hoje (16). Desta vez, uma mulher de 37 anos morreu depois de ser esfaqueada nove vezes pelo marido. A vítima deu entrada no hospital Risoleta Neves já sem vida. Ela sofreu a violência dentro do carro do casal. A moça seguia para o trabalho no momento do crime.

A PM (Polícia Militar) prendeu o homem, de 44 anos, no hospital e o encaminhou para a Delegacia de Homicídios. A perícia técnica constatou nove golpes de faca espalhadas pela perna, braço e barriga da vítima.

Reviravolta

Inicialmente, a PM foi até o hospital Risoleta Neves para atender a um suposto latrocínio – roubo seguido de morte. O crime ocorreu no bairro Jaqueline, na região Norte da capital. Ao chegarem à unidade de saúde, os militares interrogaram o marido da mulher. Ele alegou que a situação teria ocorrido enquanto ele levava a companheira para o trabalho.

O detido explicou aos policiais que o veículo do casal estragou no trajeto. Dois criminosos, então, teriam abordado o casal e agredido a mulher, que estaria se recusando a entregar o celular. Já no hospital, familiares da moça relataram que o histórico do homem era de violência doméstica. A companheira, inclusive, já queria a separação, mas o suspeito não admitia. Contestado pela polícia, o marido afirmou ter discutido com a esposa na noite anterior porque ela havia se cadastrado em um aplicativo de relacionamentos.

Diante da contradição, a polícia suspeitou que se tratava de um feminicídio. O laudo da perícia também apontou que as facadas foram dadas por alguém que estava dentro do carro, no banco do motorista. O homem também apresentou arranhões nos braços, indícios de uma tentativa de defesa da mulher.

Camila Saraiva
Camila Saraivacamila.saraiva@bhaz.com.br

Jornalista formada pela PUC-Minas em 2015. Pós-graduada em Jornalismo em Ambientes Digitais pelo Centro Universitário UniBH em 2019.

Comentários