Ensino superior pode retomar aulas em Minas, exceto em BH

Sala de aula vazia
As faculdades podem reabrir as portas, exceto em BH ( Wokandapix/Pixabay)

Três regiões de Minas Gerais recuaram para a onda amarela do programa Minas Consciente, plano de retomada econômica do governo, nesta quinta-feira (24). Com isso, somente a região Norte, única na onda verde, poderá voltar com as aulas presenciais para os ensinos infantil e médio, a partir do dia 5 de outubro (veja o programa aqui).

No entanto, já a partir da próxima semana, as instituições de ensino superior, públicas ou privadas, poderão retomar as atividades em Minas Gerais, com exceção de Belo Horizonte, por conta da suspensão dos alvarás das unidades de ensino. O cancelamento dos documentos foi feito pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) hoje.

“Hoje, o estado só tem macrorregiões nas ondas amarela e verde. Ou seja, todo o estado poderá ter o retorno do ensino superior, sejam elas públicas ou privadas. É muito importante que os reitores e todo o corpo diretivo das instituições de ensino possam ter esse tempo para fazer o alinhamento estratégico do retorno”, destacou, nessa quarta (23), o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio.

As regiões Centro-Sul, Oeste e Triângulo-Sul estavam na onda verde, mas regrediram para a fase amarela nesta quinta-feira (24). Com isso, elas precisarão ficam mais 28 dias na mesma onda, para que os números sejam avaliados e determinem o retorno ou não para o procedimento de total flexibilização.

Volta às aulas em Minas

A autorização para a reabertura das escolas em Minas Gerais, é válida a partir do dia 5 de outubro e não indica uma obrigação da retomada das aulas. A organização deve ser feita por parte das instituições, seguindo o protocolo que, segundo a SEE-MG (Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais), será divulgado na próxima semana. Os alunos não receberão falta, caso escolham não irem às aulas (leia mais aqui).

De acordo com a SEE-MG (Secretaria de Estado de Educação), haverá um monitoramento constante durante a retomada das atividades escolares. As decisões serão tomadas semanalmente. A pasta garante que os municípios e as famílias terão autonomia para tomar as decisões e ressalta que existe a possibilidade da suspensão das aulas.

Kalil se opõe

A PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) decretou a suspensão dos alvarás de todas as escolas e faculdades da capital mineira (saiba mais aqui). A determinação, publicada no DOM (Diário Oficial do Município) nesta quinta-feira (24), vale para creches, escolas de ensino infantil, escolas de ensino fundamental e médio, escolas superiores e centros de formação profissional.

O decreto, todavia, abre duas exceções para o funcionamento de algumas instituições de ensino em BH: estão autorizados a ter aulas os cursos da área da saúde em faculdades, somente para aulas laboratoriais e práticas, e as escolas de educação profissional de nível técnico.

Edição: Aline Diniz
Rafael D'Oliveira
Rafael D'Oliveirarafael.doliveira@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários