Jovem finge sequestro para vídeo no TikTok e acaba morta acidentalmente

mulher morta pegadinha tiktok
Areline Martinez gravou bastidores momentos antes de ser morta (Reprodução/Twitter)

Uma jovem de 20 anos fingiu estar sendo sequestrada por uma gangue, durante uma pegadinha para o aplicativo TikTok, mas acabou morta por um tiro acidental na cabeça. O incidente ocorreu na cidade de Chihuahua, no estado de mesmo nome, no Norte do México, no último dia 2, e é investigado pela polícia local. As informações são do britânico Daily Star.

Areline Martinez estava usando uma arma de verdade e munição real para a pegadinha. Surgiram imagens dos momentos antes de sua morte. Um vídeo mostra a jovem encenando durante o falso sequestro enquanto é cercada e ameaçada pelo grupo armado.

A jovem é vista sentada ao lado de um homem, que também finge ser uma vítima, enquanto seus outros amigos seguram armas e fazem o papel de uma gangue criminosa.

Baleada por amigas

Testemunhas disseram à imprensa local que a vítima foi baleada por duas de suas amigas com uma arma calibre 45. Elas fugiram do local e Martinez foi encontrada morta no chão e ainda amarrada. No início do dia, a vítima tinha escrito nas redes sociais: “O tempo não para e nem eu”.

Cesar Augusto Peniche Espejel, procurador-geral do estado de Chihuahua, falou sobre o caso. “Uma das hipóteses que estamos examinando é que eles estavam mexendo em uma arma de fogo pensando que não estava carregada e dispararam acidentalmente contra a mulher”.

Não está claro por que eles estavam filmando o vídeo com uma arma real com munição real, ou se era licenciada. O caso é investigado pela polícia e, até o momento, ninguém foi preso.

Edição: Thiago Ricci
Vitor Fernandes
Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva do Portal UOL. Com reportagens vencedoras nos prêmios CDL (2018 e 2019) e Sindibel (2019).

Comentários