Fabiano Cazeca luta contra o próprio partido na disputa pela PBH

Fabiano Cazeca candidato a PBH
Cazeca afirma que o partido o abandonou (William Delfino/CMBH + Divulgação/Campanha Fabiano Cazeca)

Atualizado às 9h do dia 16/10/2020 para incluir o posicionamento do deputado federal Marcelo Aro.

Candidato à PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) nas eleições 2020, Fabiano Cazeca (PROS) acusa o próprio partido de tê-lo abandonado na disputa eleitoral e de persegui-lo. O empresário está sem aparecer em propagandas na rádio e TV por conta de uma briga interna na sigla. Cazeca registrou um boletim de ocorrência e disse que vai acionar a Justiça para interferir no caso. Segundo ele, o partido tem se curvado às ordens do deputado federal Marcelo Aro (PP), que não pertence aos quadros partidários do PROS. Ao BHAZ. o parlamentar disse que Cazeca está mentindo.

O candidato precisou ir pessoalmente a uma rádio de BH nesta quinta-feira (15) para entregar o plano de mídia com as propagandas para inserções nos programas eleitorais gratuitos. Segundo ele, o plano estava retido com o partido. 

“Não liberaram a mídia, não estou na propaganda eleitoral do rádio. Agora estou lutando. Me sinto abandonado pelo partido e até perseguido. Eles não estão cumprindo com a obrigação do partido de mandar o plano de mídia. Se a intenção é fazer com que eu desista [da disputa] estão enganados, vou lutar até o fim”, disse o candidato. 

Cazeca chegou a ir à sede do partido cobrar as propagandas, mas foi informado de que deveria discutir isso com o deputado federal. “Me senti abandonado pelo partido. Fui cobrar o plano de mídia e falaram que eu tinha que discutir isso com o Marcelo. Ora, eu sou vice estadual, sou vice municipal, por que discutir isso com Marcelo Aro? Ele não tem poder nenhum para mudar essa situação. Ele não é do partido. O partido não está colaborando em nada, não tem explicação racional para isso”, afirma. 

Cazeca já havia negociado com Aro antes mesmo de começar a campanha. O candidato afirma que, agora, foi surpreendido com a postura do partido. “Antes de começar a disputa, a sigla fez uma parceria com o deputado Marcelo Aro e a chapa que eu estava montando paralisou. Ele [Aro] me ofereceu a chapa dele no PROS de 62 candidato a vereador, em troca eu teria que doar para campanha. Ficou tudo acertado e eu parti para a campanha. De repente, o partido me abandona”, conta. 

Procurado, Marcelo Aro disse que Cazeca está mentindo. O deputado afirmou ainda que o postulante à PBH jamais será eleito. “Se ele não tem habilidade e competência pra resolver um impasse no próprio partido, imagina se ele fosse eleito prefeito de Belo Horizonte? Para nossa sorte, belo-horizontinos, ele jamais será nosso prefeito. Não tem voto nem para ser vereador, quanto mais pra prefeito. Perdeu tudo que disputou na vida e vai perder mais uma vez”.

Cazeca quase indeferido

Fabiano Cazeca chegou a ter a candidatura à PBH indeferida pelo TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais), na última sexta (9). A decisão foi tomada após a constatação de irregularidade em uma empresa da qual ele é sócio nas eleições de 2014. 

O indeferimento da candidatura, conforme o TRE-MG, se deu por causa de uma AIRC (Ação de Impugnação de Registro de Candidatura) – trâmite realizado quando se recebe a informação de que um candidato não preenche os requisitos de elegibilidade. No caso de postulante pelo PROS, o problema teria sido com a Cazeca Assessoria e Cobrança Ltda, empresa da qual o candidato é sócio e que foi condenada a pagar multa por doação de recursos acima do limite legal nas eleições de 2014.

No sábado (10), Cazeca conseguiu uma liminar que suspende os efeitos da sentença e voltou a poder usar recursos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. No entanto, sua candidatura está sub judice e aguarda julgamento.

Edição: Roberth Costa
Rafael D'Oliveira
Rafael D'Oliveirarafael.doliveira@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários