Gata com Covid: Brasil registra 1º caso de infecção em animais

gatos sendo segurados
Gata foi contaminada por donos que estão com Covid-19 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O Brasil registrou o primeiro caso de uma gata com Covid. O animal passou pelo teste e recebeu diagnóstico positivo para o novo coronavírus. Trata-se de uma gata de poucos meses, que foi infectada pelos donos que estavam com o vírus.

O caso da gata com Covid é de Cuiabá, no Mato Grosso, onde a pesquisadora Valéria Dutra realizou o exame no animal. A felina passou pelo teste RT-PCR, considerado um dos melhores exames de Covid-19 por identificar a presença do vírus precocemente.

A pesquisadora Valéria Dutra, da UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso), falou sobre o caso ao O Globo. Segundo ela, os animais devem ficar isolados dos infectados. Os donos estavam em isolamento por terem contraído Covid-19, mas mantinham contato com o animal. Em julho, sacrificaram um cão na Carolina do Sul (EUA) após o pet ser diagnosticado com o coronavírus.

O especialista do Clemson Livestock Poultry Health disse que não existiam evidências da transmissão pelos animais aos seres humanos. Com a descoberta do primeiro caso no Brasil, alerta-se para a possibilidade de disseminação tanto para as pessoas quanto para outros bichos. “Minha preocupação é que os animais infectados levem o coronavírus para mais animais e pessoas”, diz Valéria Dutra.

Casos em animais podem ser comuns

Segundo Valéria Dutra, o caso do gato é ainda mais complexo, pois “gatos que moram em casas muitas vezes saem de seu domicílio livremente”. Um estudo feito nos Estados Unidos comprovou que os gatos podem transmitir coronavírus entre si. Uma outra pesquisa, publicada num periódico chinês, identificou que casos de felinos com Covid-19 podem ser comuns. Essa análise feita pela Universidade Agricultural de Huazhong apontou a presença de anticorpos no organismo deles, embora sejam assintomáticos.

O periódico diz que “devem ser consideradas medidas para manter uma distância adequada entre os pacientes com a doença e animais de estimação, como cães e gatos, além de medidas de higiene e quarentena para os animais com alto risco”.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários