Seis são presos por cárcere privado e maus-tratos em clínica de reabilitação

viaturas da polícia civil de minas gerais - operação em clínica de reabilitação
Polícia Civil realizou operação que identificou 32 pacientes trancados (Divulgação/PCMG)

A Polícia Civil de Minas Gerais realizou operação em um sítio que funcionava como clínica de reabilitação, e prendeu 6 pessoas em flagrante. As prisões ocorreram nessa segunda-feira (19).

A clínica fica localizada em Prudente de Morais, região Central de MG. Uma denúncia de maus-tratos e cárcere privado havia sido feita há cerca de um mês, o que levou a polícia ao local. Oito pessoas foram levadas à delegacia, entre elas um dos proprietários da clínica. Ao todo, seis foram presas.

O lugar funcionava como uma clínica de reabilitação particular para dependentes de álcool e drogas. Na denúncia, foi informado que os pacientes eram maltratados e mantidos em cárcere privado. A clínica era mantida com precariedade e não tinha alvará de funcionamento.

Do total de 45 pacientes, todos eram homens, desde jovens de 18 anos a idosos de 80 anos. Segundo a Polícia Civil, alguns deles estavam internados de maneira compulsória, e outros voluntariamente, há alguns meses. Pelo menos 32 pacientes foram encontrados trancados, sendo crime de cárcere qualificado. De acordo com a delegada Priscila Pereira Santos, os responsáveis poderão receber pena de dois a cinco anos de prisão.

“Os conduzidos são antigos internos do centro de internação. Estamos investigando se eles são contratados, em que qualidade estão lá”, explicou a delegada. Ela também disse que “eles são os detentores das chaves, quem trancam e destrancam, então eles têm uma participação efetiva no cárcere privado”. Práticas de agressões física e psicológica, abuso sexual, ameaça, e sedação de paciente à força também serão investigadas.

Crimes ambientais na clínica

Durante a operação, a Polícia Civil também encontrou pássaros presos em gaiolas e lixo jogado em uma lagoa localizada nos fundos. Devido a isso, também foi deduzida a prática de crime ambiental. O dono do lugar levou infração pelo crime, porque os pássaros eram silvestres. Todos os suspeitos responderão por maus-tratos aos pacientes e animais, cárcere privado e danos ambientais.

Os pacientes ficarão sob responsabilidade da Secretaria de Assistência Social do município de Prudente de Morais. A instituição fará a recolocação dos internos, e entrará em contato com os familiares.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários