Professor estupra 9 crianças, é preso em casa e choca cidade mineira

viatura polícia civil estupro crianças
Delegado do caso pede que população denuncie caso saiba de outras vítimas (IMAGEM ILUSTRATIVA/Amanda Dias/BHAZ + Divulgação/Polícia Civil)

Um caso de revirar o estômago chocou a população do povoado de Avaí do Jacinto, no Vale do Jequitinhonha, nesta semana. Nove crianças com idades entre 9 e 12 anos foram estupradas por um professor de geografia de uma escola estadual da cidade. O suspeito de 56 anos foi preso no dia 19 de outubro depois que a mãe de uma das vítimas denunciou o crime na delegacia local.

Para apurar o caso e prestar assistência às crianças envolvidas no crime, a Polícia Civil acionou o Conselho Tutelar e psicólogas do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social). Eles compareceram à casa da vítima denunciante e encontraram diversos indícios do abuso sexual. Em conversa com o BHAZ, o delegado do caso, Bernardo Campos, contou que agiu imediatamente após a grave denúncia.

“Quando eu recebi a denúncia chamei vários profissionais do CRAS e do Conselho Tutelar já que se tratava de muitas crianças. Cada profissional foi direcionado para conversar com os responsáveis e as vítimas, todas elas meninas”, detalhou.

Prisão preventiva

Em razão da gravidade do fato, o delegado Bernardo Campos expediu um mandado de prisão preventiva do investigado por estupro de vulnerável. O homem foi detido em casa e se manteve calado. Agora ele está à disposição das autoridades.

O homem ainda não foi ouvido pela Polícia Civil e vai passar 15 dias em isolamento na cidade de Teófilo Otoni antes de ir para um presídio. “A companheira dele já foi ouvida, mas o depoimento dela está em sigilo”, conta o delegado.

Em choque

O povoado de Avaí do Jacinto pertence à cidade de Jacinto, que tem cerca de 12 mil habitantes e fica próxima da divisa com o estado da Bahia. Tão logo a notícia do crime sexual com as crianças se espalhou, a cidade ficou em choque e novas informações começaram a circular. Uma das crianças relatou que o abuso acontecia há muito tempo e alguns moradores da cidade sugerem que há vítimas já na idade adulta.

O delegado informou que os abusos não aconteciam dentro da escola. “Ele morava perto das crianças. O professor as chamava até a casa dele, no quintal ou mesmo pela janela”, explicou.

A polícia está atenta ao caso e aberta para ouvir novas denúncias que possam surgir. “Eu peço a você pai, a você mãe, que caso suspeite que seu filho ou filha tenha sido vítima desse crime, por favor, compareça a delegacia de polícia e denuncie”, pede Campos.

Edição: Roberth Costa
Camila Saraiva
Camila Saraivacamila.saraiva@bhaz.com.br

Jornalista formada pela PUC-Minas em 2015. Pós-graduada em Jornalismo em Ambientes Digitais pelo Centro Universitário UniBH em 2019.

Comentários